Operação Lava Jato
Compartilhar

MPF é contra semiaberto para lobista do PMDB

Angelo Sfair, BandNews FM Curitiba O Ministério Público Federal se manifestou contra o pedido de revogação de prisão fei..

Narley Resende - 23 de agosto de 2016, 14:05

Angelo Sfair, BandNews FM Curitiba

O Ministério Público Federal se manifestou contra o pedido de revogação de prisão feito pelos advogados do lobista João Augusto Rezende Henriques. Ele é apontado como operador de propinas do PMDB no esquema de corrupção instalado na Petrobras.

Condenado pela primeira vez em uma ação penal decorrente da 19ª fase da Operação Lava Jato, Henriques também responde a um processo que tem como ré a jornalista Cláudia Cruz, esposa do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB/RJ).

De acordo com a defesa do lobista, ele já poderia estar no regime semiaberto. Isso não acontece porque o juiz federal Sérgio Moro, da 13.ª Vara Federal de Curitiba, decretou no mês de junho um novo mandado de prisão preventiva.

Na época o magistrado considerou o risco de fuga do investigado, já que ele movimentava dinheiro no exterior, por meio de contas offshores, e poderia ter recursos ainda não identificados pela Força Tarefa Lava Jato.

Por outro lado, os advogados argumentam que o passaporte de Henriques já está em poder da Justiça. A defesa também aponta que mais cerca de quatro milhões e meio de dólares (US$ 4,5 mi) já foram bloqueados das contas dele.

Na recomendação expedida pelo Ministério Público Federal, os procuradores apontam que ocultação de patrimônio e manutenção de contas não declaradas no exterior são crimes que demandam a decretação de prisão preventiva - uma forma de garantir a segurança do processo.