câmara de apucarana
Compartilhar

Por segurança, Moro reagenda depoimento de Lula em Curitiba

O juiz federal Sérgio Moro decidiu nesta quarta-feira (26) reagendar o interrogatório do ex-presidente Luiz Inácio Lula ..

Andreza Rossini - 26 de abril de 2017, 11:02

O juiz federal Sérgio Moro decidiu nesta quarta-feira (26) reagendar o interrogatório do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para às 14 horas do próximo dia 10, na Justiça Federal, em Curitiba. O depoimento de Lula estava marcado para ocorrer no próximo dia 3 e é referente ao processo que investiga o triplex.

Lula responde por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

O Secretário de Segurança Pública do Paraná, Wagner Mesquita e o Superintendente da Polícia Federal Rosalvo Franco, solicitaram o adiamento do depoimento de Lula, alegando precisar de mais tempo para tomar as providências de segurança, devido a possíveis manifestações de movimentos contra e pró-Lula.

Nesta semana foi instalada uma cerca de arames farpados na entrada da sede da Justiça, na capital, onde será realizado o depoimento com presença dos movimentos.

Na decisão de Moro, o juiz afirmou que as manifestações são permitidas, desde que pacíficas. "É possível que, na data do interrogatório, ocorram manifestações favoráveis ou contrárias ao acusado em questão, já que se trata de uma personalidade política, líder de partido e ex-Presidente da República. Manifestações são permitidas desde que pacíficas. Havendo, o que não se espera, violência, deve ser controlada e apuradas as responsabilidades, inclusive de eventuais incitadores".

O juiz também determinou que apenas o Ministério Público Federal, os advogados do assistente de acusação, do acusado e de seus advogados vão poder comparecer à audiência.

Manifestações

Caravanas pró-Lula de diversos estados do país estavam programadas para comparecer ao depoimento no próximo dia 03. Sindicalistas devem anunciar nesta manhã a medida que será adotada para os depoimentos.

A Frente Brasil Popular tenta ainda convencer o ex-presidente Lula a vir a Curitiba mesmo com o depoimento desmarcado. Um dos responsáveis pelo movimento, Gilberto Carvalho, no entanto, não cogita a hipótese. “Lula foi claro: ele está doido para vir, doido para encontrar o Moro e acabar com toda essa fantasia. Quem marca o dia é o Moro e o dia está marcado. Esperamos que ele mantenha de fato esse dia”.

Movimentos como o Vem pra Rua, Movimento Brasil Livre e do Acampamento da Lava Jato, que são de apoio a operação da Polícia Federal também marcaram manifestação para "recepcionar" o ex-presidente e apoiar Moro.

Acusações contra Lula

O ex-presidente Lula foi indiciado por corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. No inquérito, Lula é apontado como recebedor de vantagens pagas pela empreiteira OAS no triplex do Guarujá. Os laudos apontam melhorias no imóvel avaliadas em mais de R$ 777 mil, além de móveis estimados em R$ 320 mil e eletrodomésticos em R$ 19,2 mil. A PF estima que as melhorias tenham custado mais de R$ 1,1 milhão no imóvel do Guarujá.

Paulo Tarcisio Okamoto foi indiciado por crimes de corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Segundo a PF, ele recebeu vantagens indevidas entre 2011 e 2016 que totalizaram mais de R$ 1,3 milhão do empreiteiro Léo Pinheiro.

Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, é acusado por corrupção ativa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Ele teria pagado a Paulo Gordilho, ex-diretor da OAS, para a realização das obras e trasporte e armazenamento dos bens do casal. O total pago em vantagens indevidas chegaria a R$ 2.430.193.

Paulo Gordilho teria atuado diretamente no pagamento de propina junto a Léo Pinheiro. Foi indiciado pelos crime de corrupção ativa.