Operação Lava Jato
Compartilhar

Procurador afirma que encara com naturalidade as críticas de Lula

O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no Ministério Público Federal (MPF), di..

Mariana Ohde - 16 de setembro de 2016, 09:50

O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no Ministério Público Federal (MPF), disse que encarou com “naturalidade” as críticas feitas pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à denúncia contra ele. Nesta quarta-feira (14), os promotores do MPF apresentaram o documento e afirmaram que Lula seria o "comandante" do esquema de corrupção da Petrobras.

Durante uma palestra em Curitiba nesta quinta-feira, Deltan Dallagnol evitou comentários sobre o pronunciamento do ex-presidente, no qual Lula não poupou críticas à força-tarefa após ser formalmente denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro. Sem citar diretamente o nome do ex-presidente, Deltan Dallagnol disse apenas que encara com naturalidade as críticas feitas por investigados da Lava Jato.

"É natural que pessoas investigadas reajam", disse. "Não nos surpreende. Nós encaramos com naturalidade esse momento. O nosso compromisso é seguir a Constituição, as leis, a sociedade, o interesse público, e de caminhar com tranquilidade e equilíbrio, cumprindo o nosso dever", disse.

Em um tom mais ameno do que o usado na entrevista coletiva de quarta-feira, Deltan Dallagnol brincou com a platéia no início da palestra. O procurador disse que não usaria slides para discursar no evento porque os documentos apresentados na coletiva foram alvo de piadas nas redes sociais. Ele também disse que não falaria sobre a denúncia. "Hoje é um dia um pouco tumultuado. Eu decidi não usar nenhum slide aqui. Vou decepcionar vocês, porque não vou conversar sobre a acusação de ontem", disse no início da apresentação.

O procurador ainda negou, mais uma vez, a existência de motivações políticas na Lava Jato. "Essa investigação levanta ânimos, acende paixões. Nosso trabalho acontece no meio desse tumulto, no meio desse furacão, mas nós somos só técnicos que estão trabalhando nesse caso criminal", explicou.

Deltan não a frase atribuída a ele após a apresentação, de que o MPF não “tinha provas, mas convicção” do envolvimento de Lula. Ele usou as redes sociais para negar que a frase tenha sido dita. A frase, que foi compartilhada inúmeras vezes na internet, não é verdadeira. Foi uma junção de dois momentos diferentes da apresentação da força-tarefa.

(Com informações da CBN Curitiba)