Operação Lava Jato
Compartilhar

Procuradores negam que Temer seja o principal inimigo da Lava Jato

O Ministério Público Federal (MPF) divulgou uma nota, na tarde desta terça-feira (13), que rebate as informações publica..

Fernando Garcel - 13 de dezembro de 2016, 16:39

O Ministério Público Federal (MPF) divulgou uma nota, na tarde desta terça-feira (13), que rebate as informações publicadas na manhã de hoje pela colunista do jornal Folha de São Paulo Mônica Bergamo. No texto, Mônica diz que para os procuradores o presidente Michel Temer é o "principal inimigo" da Lava Jato.

> Lava Jato ameaça renunciar caso Temer sancione lei que pune juiz e promotor

Na coluna, a jornalista afirma que na opinião dos procuradores da Operação Lava Jato "o presidente Michel Temer é hoje um dos principais inimigos do Ministério Público Federal". Em nota, os integrantes da Força-Tarefa da Lava Jato afirmam que o trabalho realizado é técnico, impessoal e sem viés político. "A atuação da Força Tarefa se pauta pela Constituição e pelas leis, tendo por objetivo investigar fatos que caracterizam atos de improbidade administrativa e crimes, especialmente corrupção e lavagem de dinheiro", diz a nota.

> Força-tarefa da Lava Jato recebe prêmio anticorrupção

"Diante da coluna publicada hoje por Mônica Bergamo (“Procuradores da Lava Jato consideram Temer principal inimigo do MPF”), no jornal Folha de S. Paulo e no portal UOL, a Força-Tarefa Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná esclarece que nenhum de seus integrantes conversou com a colunista ou outro “interlocutor” sobre os temas abordados e que o conteúdo da publicação é inverídico. O trabalho realizado pela força-tarefa é técnico, impessoal e sem qualquer viés político-partidário, e continuará sendo feito desta forma. A atuação da Força Tarefa se pauta pela Constituição e pelas leis, tendo por objetivo investigar fatos que caracterizam atos de improbidade administrativa e crimes, especialmente corrupção e lavagem de dinheiro", declara o MPF.

> Temer sanciona reajuste salarial do Judiciário e do MPF

No fim de novembro, os procuradores da força-tarefa convocaram uma coletiva de imprensa para manifestar repúdio a descaracterização do projeto de iniciativa popular conhecido como “10 Medidas de Combate à Corrupção” aprovado pela Câmara dos Deputados e ameaçaram uma renúncia coletiva às investigações da Lava Jato caso Temer sancionasse o projeto. Os procuradores tomaram esse posicionamento após a inclusão da emenda que prevê o crime de responsabilidade a juízes e a promotores, o que não era previsto inicialmente.

O procurador Deltan Dallagnol afirmou na ocasião que o resultado da Lava Jato será ameaçado com a sanção das mediadas que foram aprovadas pela Câmara. “Quando se aprovam medidas à favor da corrupção o resultado da Lava Jato pode ser pior do que tínhamos antes”, disse. Durante seu discurso, Dallagnol parafraseou o ex-ministro do Planejamento Romero Jucá (PMDB-RR) que foi pego em uma gravação com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado sugerindo que seria preciso mudar o governo para “estancar a sangria” em um pacto para parar a Lava Jato.