Operação Lava Jato
Compartilhar

Testemunha de Cláudia Cruz, Hugo Motta confirma depoimento a Sérgio Moro

O deputado paraibano Hugo Motta (PMDB) confirmou seu depoimento como testemunha de defesa de Cláudia Cruz, mulher do ex-..

Narley Resende - 28 de setembro de 2016, 11:45

O deputado paraibano Hugo Motta (PMDB) confirmou seu depoimento como testemunha de defesa de Cláudia Cruz, mulher do ex-deputado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Em ofício protocolado na noite dessa terça-feira (27) no sistema eletrônico da Justiça Federal, Motta afirmou que vai depor ao juiz Sérgio Moro por videoconferência no dia 18 de outubro, às 10 horas, na sede da Justiça Federal em Brasília.

Um dos parlamentares mais próximos de Eduardo Cunha, Hugo Motta havia afirmado à Justiça Federal que não poderia prestar esclarecimentos em datas estipuladas, por causa de compromissos eleitorais e agenda intensa na Paraíba. Na semana passada, porém, o juiz Sérgio Moro deu cinco dias para o deputado responder em qual dia, afinal, poderia depor. A Justiça Federal no Paraná havia colocado quatro datas – 26 de setembro, 28 de setembro, 5 de outubro ou 6 de outubro – disponíveis para as testemunhas de Cláudia.

Moro autorizou, além do depoimento de Motta, os depoimentos de outras três testemunhas arroladas pela mulher de Eduardo Cunha.

Por videoconferência, a partir do prédio da Justiça Federal de Brasília, serão ouvidos os deputados federais Carlos Marun (principal defensor de Cunha no processo de cassação do parlamentar), no dia 5 de outubro, às 10h, e Jovair Arantes, relator, na Câmara, do processo de impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff, no dia 19 de outubro, às 10h.

Também testemunhará em defesa de Cláudia Cruz o atual ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintela, que comunicou que usará a prerrogativa de depor em videoconferência direta da sede do Ministério.

Hugo Motta presidiu a CPI da Petrobras e fez parte da tropa de choque de Eduardo Cunha na Câmara. O deputado não compareceu à votação na Câmara que cassou o mandato do colega peemedebista. Assim como Cunha, Claudia Cruz é ré na Lava Jato por lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

No dia 9 de junho, Moro recebeu denúncia apresentada pela força-tarefa de procuradores da Operação Lava Jato contra Cláudia Cruz e outros investigados que viraram réus.

A denúncia é vinculada com ação penal, remetida pelo STF ao Paraná, a que Cunha responde por não ter declarado contas no exterior. No processo, Claudia é citada como beneficiária das contas atribuídas ao deputado na Suíça.

hugo motta