Curitiba fica no 41º lugar da transparência nacional, segundo a CGU

E a transparência em relação ao país, aquela que mais conta, da CGU, Controladoria Geral das União, como ficou Curitiba? “Pulou” para a triste posição de 41 lugar

Redação - 08 de fevereiro de 2022, 09:19

Aroldo Murá
Aroldo Murá

Por Aroldo Murá

Em seu twitter, em tom de chilique, Greca passou recibo: é um assíduo leitor deste site

Assim escreveu o Prefeito: “#CuritibaPrefeituratransparente Nossa Cidade obteve o primeiro lugar em #transparênciaPública dentre as dez maiores cidades do nosso Paraná. Calem-se todas as maledicentes “Matildes”! Os que amam Curitiba celebrem comigo a glória de poder fazer direito o ofício de Prefeito”.

E a transparência em relação ao país, aquela que mais conta, da CGU, Controladoria Geral das União, como ficou Curitiba? “Pulou” para a triste posição de 41 lugar. Mais  abaixo, o leitor verá que a palavra do alcaide comporta tergiversações e não verdades…

AS MATILDES

As Matildes são fontes de informação de várias irregularidades da gestão Rafael Greca;  elas são cidadãs que se preocupam com a forma que a gestão Rafael Greca tenta esconder situações de questionável moralidade do gestor máximo de Curitiba.

Às vezes o gestor só se mexe quando as Matildes cutucam o vagaroso e mórbido prefeito.

Tais denúncias irritam o alcaide Rafael Valdomiro  Greca de Macedo, aquele o que não gosta de dar explicações de sua gestão. E por isso, taxa como “maledicentes ou difamadoras” as nobres informantes desta coluna.

A arbitrariedade e o fígado do prefeito amargam a ordem tradicional ouvida em seu gabinete,  “Calem-se!”;, ordem de quem não gosta de ser contrariado, é ainda, embora com 64 anos, um “enfant gaté”.

ISSO ELE NÃO CONTA

Greca não está mais bem assessorado, desde que Monica Santanna saiu; seus assessores esqueceram de contar que Curitiba sofreu um retrocesso em transparência! Mônica, jornalista de fato, sempre soube que a melhor arma de um bom político é trabalhar com e para a verdade..

O grande vilão desse retrocesso se chama Rafael Valdomiro Greca de Macedo, o qual foi responsável pela piora dos s índices de transparência  em âmbito Brasil, e agora vem “cacarejar” um avanço local.  Alegando a própria torpeza como uma falsa vitória.

LEMBRAM DE 2015?

Em 2015, Curitiba ocupava o primeiro lugar do Ranking Nacional realizado pela Controladoria Geral da União  no quesito transparência. Inclusive o ICI-Instituto Cidades Inteligentes publicou a matéria em seu site em 23 de novembro de 2015, demonstrando sua colaboração no processo de transparência. Vejam.

Nos últimos anos Curitiba despencou no ranking nacional, chegando a ficar na UTI da transparência entre as maiores cidades do Brasil. Tudo começou com a “Acqua Panna” quando um vereador questionou os gastos exorbitantes com a água importada, o qual sempre compartilhou com seus asseclas; e o prefeito mandou esconder esses gastos.

Quem não se lembra de que o Greca pagava R$ 28,00 por uma água mineral em São Paulo?

CURITIBA APARECE EM  41ª POSIÇÃO EM TRANSPARÊNCIA NO RANKING NACIONAL. MAS JÁ OCUPOU O PRIMEIRO LUGAR EM 2015…

A Avaliação 360º  da Controladoria Geral da União  é composta de dois blocos, sendo um para análise de quesitos de transparência ativa e outro para os quesitos de transparência passiva.  A avaliação da transparência passiva ocorreu no intervalo de junho a setembro de 2020. Os dados foram inseridos no sistema entre novembro e dezembro de 2020,  em menos de dois meses Curitiba amarga a quadragésima primeira posição.

Se listarmos todas as cidade que passaram a frente de Curitiba na gestão Greca é de ficar ruborizado! Vejamos em ordem de colocação, da 1ª  até a 41ª cidade: Sobral, Linhares, Campo Grande, João Pessoa, Londrina, Recife, Mesquita, Niterói, São Pedro da Aldeia, Campo Alegre,Itaúna, Juiz de Fora, Oriximiná, Criciúma, Gaspar, Fortaleza, Maringá, Vitória da Conquista, Jacundá, Maceió, Sorocaba, Piraquara, Guanambi, Balneário Camboriú, Brasília, Sinop, Porto Alegre, Limeira, Nova Odessa, Rio Branco, Cachoeiro de Itapemirim, Nova Andradina, Porto Velho, Mogi Guaçu, Breu Branco, São Luís, Bezerros, Varginha, Farroupilha, Santana de Parnaíba, Serra, Passos e na 41ª posição Curitiba na gestão do glorioso Greca.

PERDEU PARA CAPITAIS

Curitiba perdeu ainda em transparência  para as seguintes capitais: João Pessoa, Fortaleza, Brasília, Porto Alegre, Rio Branco, Porto Velho e São Luís.

Diante desse quadro que desmente claramente o “oba-oba” do prefeito, é oportuno lembrar: Transparência não é motivo de propaganda, é obrigação moral e legal, assim como honestidade. Propagandear em cima de uma obrigação, é coisa de político da velha politicagem, como se o cidadão Curitibano não fosse inteligente o suficiente para ver que o segundo mandato de Greca está pior que o primeiro.

Utilizar ocupantes de cargos em comissão para cortejar as ações em redes sociais não demonstra confiança na sua administração e ainda mostra o medo da crítica do povo carente do gestor público, o qual vive mais em hospitais ( seria hipocondríaco?) e na chácara São Rafael, em Piraquara, do que em seu gabinete.

Ali em Piraquara, uma das preocupações do Greca é especialmente com a pedreira, da qual ele e seus irmãos têm 50% de participação, e que  amarga dias “terribilis”, acossada por impostos e processos trabalhistas sem fim.

A pedreira fica pertinho sua “dasha” e, dizem, que até teria a vigilância voluntária der alguns guardas que atendem à segurança do alcaide.

TRANSPARÊNCIA NÃO É MOTIVO DE PROPAGANDA, É OBRIGAÇÃO MORAL E LEGAL, ASSIM COMO HONESTIDADE. PROPAGANDEAR EM CIMA DE UMA OBRIGAÇÃO, É COISA DE POLÍTICO DA VELHA POLITICAGEM