A previdência dos homossexuais

Renato Follador


Cópia de Matar a vaquinha-2

Preconceito é sinônimo de “pré-julgamento”.

Acho que só Deus tem todos os elementos para julgar um ser humano, pois só ele nos conhece a todos em nossas fraquezas, vícios e virtudes.

Quando vejo comentários pejorativos contra um homossexual, me lembro de Deus e da difícil luta que essa gente enfrenta todo dia para expressar seus sentimentos e sua forma de ser diante de uma maioria preconceituosa.

Do ponto de vista espiritual, ouvi certa vez um comentário: vocês já imaginaram a prova existencial que é nascer num corpo diferente e apaixonar-se por alguém do mesmo sexo, numa sociedade hipócrita, que prega a liberdade individual na Constituição mas não a pratica?

Anos atrás, antes das recentes decisões do Judiciário quanto ao direito dos casais homossexuais, recebi um gay que mantinha financeiramente um lar e queria me consultar sobre pensão para o companheiro, com quem vivia há 25 anos.

Disse-lhe que, diferentemente do INSS, onde o beneficiário é o cônjuge e os filhos, na previdência privada o dinheiro ficaria para quem ele determinasse, não entraria em inventário e era impenhorável.

Na mesma hora, assinou o pedido de inscrição, agradeceu-me com lágrimas nos olhos e saiu em paz. Ali, tive orgulho do meu trabalho, pois tirei um pouco do peso da vida dos ombros daquela boa pessoa.

E vou repetir: a poupança previdenciária privada vai para quem e na proporção que você quiser segundo a lei.

 

 

Acompanhe meus comentários diários também nas redes sociais @orenatofollador e nos Podcasts da Apple, Spotify e Deezer.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="763110" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]