Lei de Murphy

Renato Follador


Sabem a Lei de Murphy, a que diz que “nada está tão ruim que não possa piorar”?

Vamos lembrar uns exemplos: quando te ligam, se você tem caneta, não tem papel, se tiver papel não tem caneta e se tiver ambos, ninguém liga. E quando você liga para números errados de telefone eles nunca estarão ocupados.

Se o curso que você deseja só tem ‘n’ vagas, certeza que você será o aluno ‘n+1’ a tentar se matricular.

Toda partícula que voa sempre encontra um olho aberto.

A fila ao lado sempre anda mais. E não adianta mudar de fila, a outra é sempre mais
rápida.

Existem dois tipos de esparadrapo: o que não gruda e o que não sai.

Numa blitz, todo mundo passa, menos você.

Aí me lembrei da maior passeata da história, feita para prender o ex-presidente, destituir a presidente e moralizar o país.

Resultado: o ex-presidente vira Ministro, a presidente se fortalece e a imoralidade prevalece.

Olha, merecemos mesmo ser conhecidos como o país dos que levam vantagem, do jeitinho, dos que nunca são pegos.

Sempre pode piorar onde é esperto quem puxa um “gato” de tevê a cabo ou atira lixo nas ruas. No qual a prioridade de passagem é para o carro e não para o pedestre. Onde idoso, mulher com criança no colo e inválido ficam em pé no ônibus, enquanto o jovem sentado finge que dorme para não dar o lugar.

Enquanto, como sociedade, não amadurecermos, a Lei de Murphy prevalecerá.

Consultas sobre finanças e previdência : (41) 3013-1483

renato.follador

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="488968" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]