O pior dos mundos

Renato Follador


estagflação

Estagflação, o pior dos mundos. Pois entramos nela.

Isso acontece quando a inflação cresce e o PIB não cresce, ou até diminui.

Pois é, a alta do preço de commodities, como petróleo e alimentos, somada à desvalorização do real ante o dólar, por não sabermos administrar a pandemia, nos joga num poço escuro.

Quem mais sofre é o cidadão comum, com o parco dinheiro que tem valendo menos, sem perspectiva de emprego ou futuro.

O principal objetivo de um governo é trazer oportunidades para todos e estabilidade institucional.

Pobres dos que acreditaram que o discurso de moralidade e combate à corrupção era suficiente.

Na nossa casa, nas empresas, nas instituições e nos governos, competência é fundamental.

Competência é saber o que fazer, como fazer e quando fazer.

Ora, se governos e políticos não têm preparo pra saber ao menos o que fazer, que esperança podemos ter?

Meu avô dizia que a mais perniciosa pessoa é o burro com iniciativa.

Agora, imagina se a esse burro lhe damos poder!

Dizem que somos uma nação, mas não merece ser nação um povo que perdeu a capacidade de indignação.

Sempre fui contra extremos. Debruçado neles está o fanatismo, a incapacidade de raciocinar e refletir, a intransigência com quem pensa diferente, o egoísmo, a raiva e o preconceito.

Se a Terra estivesse alguns quilômetros mais próxima do sol seria um inferno. Se estivesse alguns quilômetros mais afastada seria um deserto frio e desolado.

Querem exemplo maior da importância do equilíbrio?

 

 

 

Acompanhe meus comentários diários também nas redes sociais @orenatofollador e nos Podcasts da Apple, Spotify e Deezer.

Previous ArticleNext Article