Renascer

Renato Follador

O ser humano não aceita a morte.

Por não compreendê-la, evita pensar nela e se preparar para ela.

Entretanto, se a entendêssemos como uma passagem, uma transição, seria muito mais fácil.

E ela é exatamente isso: nada mais que a fronteira entre passado e futuro, o término de um ciclo, o ponto de partida para algo novo. Uma transformação necessária.


Vejam, se não matarmos o menino que existe em nós, jamais nascerá o jovem ousado. Se não matarmos esse jovem, jamais haverá espaço para o adulto maduro.

Na vida profissional também é assim: se você quer ser um líder, tem que matar o técnico inseguro, que tem medo de decidir, acomodado que está no conforto da equipe cuja responsabilidade não é dele.

Um amigo me disse estar absolutamente despreparado para a aposentadoria.

Por 40 anos foi o Dr.engenheiro da multinacional tal e a partir do próximo mês perde essa identidade e seu lugar no mundo.

Disse a ele que só há uma alternativa: matar o engenheiro e esquecer da empresa. Abrir espaço para poder nascer um novo personagem, com novos desafios e oportunidades que a vida ainda lhe reserva.

Se não dermos lugar para o novo personagem entrar vamos morrer lamuriando a morte do primeiro. E isso ocorre rapidamente, quando não temos mais uma razão para levantar todo dia.

Pensem nisso.

Consultas sobre finanças e previdência: (41) 3013-1483

Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook