Tempos Difíceis

Renato Follador


Essa é do guru do Nhundiaquara.

Homens de 18 anos pilotavam caças Spitfire para defender Londres, que era bombardeada por pilotos da Luftwaffe, de 19 anos.

Com a II Guerra milhões morreram e os que sobreviveram voltaram para casa e tinham que trabalhar duro para reconstruir seus países. Tiveram filhos e envelheceram.

Comiam o que tinha pra comer. Economizavam o que podiam e cuidavam de suas famílias.

Hoje, a adolescência vai até os 35 anos.

Muitas crises. Muitas decisões. Muita pressão. Mundo cruel.

Tudo o que foi construído, até hoje, está equivocado.

Caras de 30 anos tomam todynho, fazem depilação, usam óleos especiais na barba desenhada. Praticam Tai Chi Chuan. Usam brinco e sapatênis.

Depois de uma semana árdua de trabalho, de 6 horas com 2 de almoço (digitando em teclados ergonômicos), reúnem-se com amigos, igualmente estressados, em bares modernos (com ar condicionado), com mesas posicionadas segundo feng chui, ao som de Pablo Vitar e Ludmilla.

Pedem suflê de mandioquinha com alho poró, com traços de curry e framboesa selvagem – e harmonizam-na com caipirinha de aguardente de alecrim, com mixed de saquê e vinho crianza catalão, com adoçante natural da mini-jaca colombiana.

Finalizam com uma taça de café gourmet gelado (descafeinado, é claro), aromatizado com favas de baunilha de madagascar e raspas de limão siciliano.

Conclusão:

Tempos difíceis criam homens fortes. 

Homens fortes criam tempos fáceis. 

Tempos fáceis criam homens fracos. 

Homens fracos criam tempos difíceis.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="692701" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]