Deputado Zeca Dirceu lamenta escalada da miséria no país

Zeca Dirceu (PT) acredita na retomada da economia e que o Brasil volte a ter força econômica com possível vitória de Lula

Redação - 14 de julho de 2022, 19:59

Foto/Divulgação
Foto/Divulgação



O deputado federal Zeca Dirceu (PT) disse nesta quinta-feira, 14, que Lula e Alckmin lideram um projeto de reconstrução nacional. "Essa é a nossa agenda, reconstruir todas as conquistas do povo brasileiro que foram solapadas nos últimos quatro anos. Não podemos aceitar que o país que alimenta o mundo tenha 25% da sua população passando fome, empurradas para a miséria e à própria", disse.

Zeca Dirceu participou da reunião de Lula e Alckmin com as bancadas do PT, PSB, PV e PCdoB no Congresso Nacional. "Sabemos que querem fazer desta eleição uma guerra, mas o povo brasileiro é sábio e vai dar a resposta nas urnas. Sabem muito bem que durante o governo Lula comiam carne, não disputavam ossos ou sobras de alimentos, viajavam de avião e nós vivíamos o pleno emprego. Éramos a sétima economia do mundo com os preços dos combustíveis, gás, água e luz acessível a todos", disse.

A escalada de violência deflagrada pelo bolsonarismo, segundo o deputado, não vai conseguir fazer frente à vontade popular. "Não vão nos calar e nem nos impedir que saiamos às ruas para mostrar a nossa indignação com o atual estado de coisas e a nossa esperança identificada no carisma e empatia de Lula", afirmou.

A criação de empregos, a devolução de direitos da população mais pobre, a redução do custo de vida, o controle da inflação e retomada dos investimentos na educação em todos os níveis, formam a base do plano de governo de Lula e Alckmin que, segundo Zeca Dirceu, será apresentado a partir de 15 de agosto.

"O país perdeu a capacidade de investir em áreas prioritárias do serviço público e a população sente já há algum tempo que a vida piorou. Hoje, o presidente Lula está muito mais preparado. É muito mais experiente e vai fazer um governo para reconstruir o país, muito melhor do que já foram os dois excepcionais governos que ele fez", afirmo