É preciso, urgentemente, melhorar as condições do nosso litoral

A falta de infraestrutura no litoral paranaense tem levado à população a lamentar o abandono pelo governo do estado. Filas no ferry-boat são os principais problemas

Pedro Ribeiro - 02 de fevereiro de 2022, 08:27

Foto/Paraná Portal
Foto/Paraná Portal

 


O descontentamento da população residente e dos turistas em relação à falta de infraestrutura no litoral paranaense foi manifestado nesta terça-feira, nas redes sociais, após o Paraná Portal colocar em suas páginas o descaso do poder público com as cidades litorâneas que dependem do apoio governamental e, consequentemente, do turismo.


Publicamos aqui que a falta de infraestrutura e o desleixo na administração do sistema de travessia de Matinho a Guaratuba, via ferry boat, bem como a falta de fiscalização pelos órgãos governamentais, tem levado ao desânimo, prefeitos, comerciantes, moradores e os próprios turistas que movimentam a economia local.


Recebemos informações de que a engorda da praia de Matinhos ainda não saiu, a Ponte de Guaratuba continua no papel há 30 anos, foram retiradas sinalização na barra de Guaratuba, enormes filas no ferry-boat, risco de vida, aeroporto abandonado e trecho de 200 metros de asfalto ainda não realizado.


Em Morretes, o prefeito pede apoio do governo para dotar a cidade – terceira em visitação no Paraná – de infraestrutura urbana – mobilidade para atender os turistas de fins de semana, Guaraqueçaba e Antonina também estão abandonadas, sem falar na grande faixa de Praia de Leste a Pontal do Sul.

Estes gestores públicos estão fazendo esforços acima até de suas capacidades, pois, estão dando prioridade à área da saúde, com a pandemia que ainda não terminou.

Com o fim do pedágio, determinado pelo governador Ratinho Junior, alguns municípios deixaram de receber ISS da Concessionária Ecovia e estão aguardando compensação do Governo do Estado que não vem. Morretes, por exemplo, recebia R$ 500 mil e, passados dois meses, não viu mais a cor do dinheiro.

É preciso, necessário, que as autoridades do Governo do Estado, em todas as suas áreas, olhem para o Litoral. É questão de justiça.