Como escolher um bom assessor de investimentos?

Janaina Chiaradia


In Loco: transmitindo informações e compartilhando experiências.

Da série: pare, olhe, invista!

Por Hildebrando Matheus Pinheiro…

Mais uma da série, que vem causando impacto na sociedade, e que, veio da troca de conversas com o profissional na área financeira, Hildebrando Matheus e seus convidados… cada qual na sua área de atuação e com seus estudos… auxiliando a sociedade na arte de saber investir, mesmo em meio a pandemia instaurada.

Vamos aos diálogos da semana, afinal, você já pensou em:

Como escolher um bom assessor de investimentos?

Hildebrando Matheus[i]

Luiz Noal[ii]

Conselhos ruins podem acabar com um dia, um ano ou uma vida inteira. Pensando nisso, hoje abordaremos um tema muito importante para que seu planejamento financeiro seja bem-sucedido: A escolha de um bom assessor de investimentos.

É muito comum hoje sermos abordados por pessoas e notícias das mais variadas espécies sobre como obter lucro em determinado investimento, e as propagandas, são as mais variadas possíveis. Se você digitar “como ganhar dinheiro” no Google, encontrará milhões de registros nos mais variados idiomas. Existem muitos esquemas fáceis de enriquecer. Acredite em mim quando digo que eles realmente funcionam. Eles dão grande resultado, porém não para você nem para os ingênuos que caem em suas malhas, mas somente para aqueles que as criam.

Existem muitas pessoas por aí esperando para ajudar você a realizar investimentos. Elas podem te dar dicas, informações e orientação. Ótimo, mas saiba que é fundamental ter muito cuidado na hora de escolher quais conselhos seguir, sobretudo se você quer continuar com seu dinheiro.

Por mais desafiador que seja, navegar no mundo dos investimentos e alcançar sua independência financeira é uma tarefa simples. Não é fácil, mas é simples.

Na Casa do Investidor acreditamos que os pilares para você alcançar sua independência financeira são: planejamento, disciplina e orientação.

Como Michael Viriato, professor de finanças do Insper e sócio fundador da Casa do Investidor escreveu em sua coluna na Folha de São Paulo:

“Embora alcançar a independência financeira seja simples, não é fácil, pois poucos se dedicam a fazer o que precisa ser feito. Ou seja, dispender tempo para montar um plano, ter disciplina para segui-lo e buscar um especialista para orientá-lo por todo o caminho.”

Um assessor de investimentos pode ser comparado a um técnico de esportes de alta performance. Um bom técnico pode significar a diferença entre o sucesso e o fracasso até para os melhores atletas do mundo, assim como um bom assessor pode ser seu maior aliado rumo à sua independência financeira.

Podemos classificar os assessores de investimentos em dois grupos: os que o impedirão de fazer um negócio idiota e os que irão chamá-lo de idiota depois que você fechar um negócio. Seu objetivo deve ser sempre ouvir as orientações do especialista do primeiro tipo, mas você encontrará muito mais “profissionais” do segundo tipo. Pensando nisso, vamos focar em falar do assessor de investimentos de primeira linha.

Um assessor de investimentos é seu parceiro na tomada de decisões sobre como investir seu dinheiro. Digamos que você queira se aposentar em 20 anos ou mandar seu filho para uma universidade particular em 10 anos. Para atingir seus objetivos, você pode precisar de um profissional qualificado com as licenças certas para ajudar a tornar esses planos uma realidade; é aqui que entra um assessor de investimentos. Juntos, você e seu assessor cobrirão muitos tópicos, incluindo a quantidade de dinheiro que você deve economizar, os tipos de contas de que precisa, os tipos de seguro que você deve ter (previdência, invalidez etc.), e planejamento imobiliário e tributário.

O assessor de investimentos também é educador. Parte de sua tarefa é ajudá-lo a compreender o que está envolvido no cumprimento de suas metas futuras. O processo educacional pode incluir ajuda detalhada com tópicos financeiros. No início de seu relacionamento, esses tópicos podem incluir orçamento e economia. Conforme você avança em seus conhecimentos, o assessor o ajudará a compreender investimentos complexos, seguros e questões tributárias.

Qualquer pessoa pode trabalhar com um assessor de investimentos em qualquer idade e em qualquer fase da vida. Você não precisa ter um patrimônio líquido alto; você só precisa encontrar um conselheiro adequado à sua situação. A decisão de solicitar ajuda profissional para o seu dinheiro é altamente pessoal, mas sempre que você se sentir oprimido, confuso, estressado ou assustado com sua situação financeira, pode ser um bom momento para procurar este profissional.

Também é bom abordar um assessor de investimentos quando você se sente financeiramente seguro, mas deseja que alguém garanta que você está no caminho certo. Ele pode sugerir possíveis melhorias em seu plano que podem ajudá-lo a atingir seus objetivos de forma mais eficaz.

A questão é: como escolher um bom assessor de investimentos?

Escolher um assessor está relacionado a confiança. Tudo se resume a isso. Afinal, para se construir um plano de investimentos o assessor precisa saber tudo sobre a vida financeira de seus clientes e muitas vezes sobre pontos pessoais também.

Um bom assessor terá como objetivo multiplicar e proteger o patrimônio do seu cliente.

Segue abaixo um check-list para você garantir que isso aconteça:

  1. Saiba se ele tem o conhecimento, tecnologia e suporte para te ajudar.
  2. Saiba se ele tem acesso aos melhores investimentos disponíveis no mercado.
  3. Entenda o plano de investimentos criado para você. Riscos, retornos esperados e o objetivo de cada investimento na composição da carteira.
  4. Conheça o histórico e avalie as mídias sociais do seu assessor.
  5. Peça referências sobre a satisfação de seus clientes. (Depoimentos/ Pesquisas de satisfação do escritório)
  6. Verifique se ele investe nos produtos que te recomenda.

Seguindo os seis pontos acima você poderá confiar no seu assessor e dividir com ele seus planos, objetivos e desejos.

Lembre-se que, assim como no mundo dos esportes um técnico só conseguirá levar um atleta a vitória se ele fizer a parte dele, no mundo dos investimentos será igual. Seu assessor não conseguirá fazer tudo por você. Você tem que ter disciplina para poupar e investir, e a diligência para seguir o planejamento nos momentos mais difíceis.

A boa notícia é que, diferente de um atleta, nosso trabalho não exige um dom especial ou infinitas horas de treinamento e muito suor. É muito mais simples.

Este profissional trabalhará com você para obter uma imagem completa de seus ativos, passivos, receitas e despesas. Geralmente é aplicado um formulário onde você listará todas as fontes e renda, despesas, investimentos, projeções de aposentadoria e questões tributárias. Resumindo, ele irá tirar um raio x da sua vida financeira atual e ajudará você a traçar uma mapa com uma rota segura para conquistar seus objetivos em sua nova vida.

No questionário será abordado alguns tópicos mais subjetivos, como sua tolerância ao risco e capacidade de risco. Ter uma compreensão de seu risco auxilia o assessor na hora de determinar a alocação de seus ativos de investimento. Nesse ponto, você também deixará o assessor saber suas preferências de investimento. A alocação de ativos é simplesmente uma rubrica para determinar qual porcentagem de seu portfólio financeiro total será distribuída em várias classes de ativos. Um indivíduo mais avesso ao risco terá uma maior concentração de títulos do governo, certificados de depósito bancário (CDB), enquanto um indivíduo que está mais confortável com o risco pode decidir entre ações, e fundos de investimento imobiliário (FII), por exemplo.

É importante para você, como cliente entender o que seu planejador recomenda e por quê. Você não deve seguir cegamente as recomendações de um assessor. Lembre-se que é o seu dinheiro! É a sua vida! Você precisa assumir o controle e não somente delegar. Fique de olho nas taxas que você está pagando – tanto para o seu assessor quanto para quaisquer ativos comprados para você. Pergunte ao seu assessor por que ele recomenda investimentos específicos e se está recebendo uma comissão pela venda desses ativos. Esteja alerta para possíveis conflitos de interesse.

A maioria das pessoas não planeja fracassar; fracassa por não planejar. Com planejamento, disciplina e orientação qualificada, é só uma questão de tempo para alcançar a sua tão almejada independência financeira.

 

[i] Administrador; possui MBA em Mercado Financeiro (FESP-PR), MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria (FGV), Pós-graduação Internacional em Administração de Empresas (FGV) com extensão na University of Califórnia, San Diego-USA, formação em Specialist: Financial Advisory (Proseek), e especialização em Mercado Financeiro pela University Yale.

 

[ii] Graduado em Administração pelo Insper (Menção Honrosa); Agente autônomo de investimentos devidamente registrado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), na forma da Instrução Normativa nº 497/11. Trabalhou 2 anos como Head do time de assessores de investimentos da Rico Investimentos (XP Inc.). Atua no mercado financeiro com contrato com a XP Investimentos CCTVM S/A.

 

Fonte:

Templar, Richard. As regras da riqueza – Rio de Janeiro: Sextante, 2009.

 

FERGUSON, Niall. A ascensão do dinheiro: a história financeira do mundo. São Paulo: Ed. Planeta do Brasil, 2009

 

Robbins, Tony. Dinheiro: Domine este jogo – 7 passos para a liberdade financeira – 3º ed. Rio de Janeiro, Best-seller, 2019.

 

 

Previous ArticleNext Article
Jurista, Mestre em Direito, Professora, Palestrante e Escritora.
[post_explorer post_id="753370" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]