Gestão profissional de jogadores e treinadores no futebol, tênis e golfe:

Janaina Chiaradia


 In loco: transmitindo informações e compartilhando experiências

Nas entrelinhas do Direito, por André Cesar de Mello

Encerrando bem o sábado, uma matéria reservada para ontem, que se faz destaque na data de hoje, da série “nas entrelinhas do Direito”, se faz apresentar de maneira eficaz, afinal, o amigo Andre de Mello e convidado, nos leva a:

Falar, pensar e refletir, em prol de muito trabalho!

GESTÃO PROFISSIONAL DE JOGADORES E TREINADORES NO FUTEBOL, TÊNIS E GOLFE.

Por André Cesar de Mello[1] e Wagner de Jesus Nascimento de Lima[2].

Queridos e queridas leitores(as), hoje a matéria na coluna “Nas Entrelinhas do Direito” é mais do que especial. Vamos falar sobre um ramo interessantíssimo do empresariado: a gestão profissional de jogadores e treinadores. Para isso, chamamos o nosso querido amigo Wagner de Jesus Nascimento de Lima para falar sobre o assunto.

Fora do país o mercado do tênis e golfe é muito desenvolvido, porque esses esportes têm maior enfoque. Exemplo disso são os Estados Unidos da América e grande parte dos países do oeste europeu. O futebol, por outro lado, tem alcance, fama e relevância global e, principalmente no Brasil, tem enorme importância. As quartas-feiras não são as mesmas sem futebol, por causa da quarentena provocada pelo COVID-19, para a grande maioria dos brasileiros.

Dada a importância do futebol para os brasileiros, vamos nos ater um pouco mais ao futebol, mas todos os trechos deste texto são voltados e são aplicados também ao golfe e ao tênis. Claro, com suas particularidades, sobre o que falaremos em outra coluna.

O ramo da gestão profissional de jogadores e treinadores no Brasil é um campo de atuação interessantíssimo, justamente pelo histórico pátrio da revelação de bons jogadores e da existência de times capazes de desenvolver as habilidades de cada player. Inclusive, é importante dizer que os grandes clubes do Brasil possuem o mesmo know how técnico de grandes times do exterior. Um exemplo disso, no país, é o Athletico Paranaense e sua estrutura.

Aí nascem algumas necessidades dos jogadores. Pensem: o objetivo de um jogador ou um treinador é o sucesso. Certo? Esse, portanto, é o objetivo principal. Porém, existe um outro ponto relevantíssimo: como eu, jogador profissional, faço para me manter no sucesso e no auge? É justamente aí que nascem elementos fundamentais para manutenção o player em seu auge pelo maior período possível. Ou seja, é necessária a gestão patrimonial, de imagem, financeira e jurídica. Claro: hoje em dia é fundamental trabalhar com a imagem digital do jogador/treinador nas mais diversas redes sociais, dentre elas o Instagram e Facebook. E isso significa dizer que o talento não é a única coisa que chama a atenção e agrega valor a um jogador atualmente. O que é necessário fazer é a produção de uma marca unipessoal do próprio atleta/treinador. Para isso, é necessário gerar conteúdo e ganhar engajamento com o seu público. Isso se dá pelas redes sociais.

Como ocorre usualmente na coluna “Nas Entrelinhas do Direito”, para falarmos sobre esse assunto, hoje vamos trazer a UNITED SPORTS BRAZIL, que vai falar sobre a sua história e sobre o mercado de gestão de jogadores e treinadores de futebol, golfe e tênis dentro de nosso território brasileiro.

O mercado da gestão de jogadores e treinadores no Brasil é muito peculiar. Encontra-se um misto de busca por metas e desenvolvimento com qualidade e eficácia. Melhoria da imagem dos jogadores e treinadores com o foco do atleta/profissional exclusivamente em sua carreira (treinos e jogos). Necessidade de uma excelente estrutura de treinamento e alimentação adequada. Também há necessidade de administração adequada do patrimônio do jogador/atleta. Ou seja: são inúmeras variáveis dentro desse mercado. Assim como se deve alternar entre uma linguagem extremamente empresarial, vinculada aos negócios, e uma linguagem bem acessível para o dia a dia do treinamento.

Assim como acontece em qualquer profissão, o gerenciamento de carreiras auxilia os profissionais em 3 pilares principais: profissional, pessoal e financeiro. Com a soma dessas três esferas e a definição de uma estratégia, o jogador consegue entender de forma clara onde se quer chegar e quais são as ferramentas necessárias para atingir o que ele idealiza. A empresa de gestão, tal qual a UNITED SPORTS BRAZIL, auxilia nesse desenvolvimento.

Transferindo essa ideia para o ambiente esportivo, a gestão de carreira de atletas pode ser usada para desenhar uma possível trajetória profissional. Desde o início até o pós-carreira podem passar por esse planejamento, que é baseado nos objetivos de cada jogador. Ou seja: é um trabalho muito personalizado de jogador para jogador; de treinador para treinador. E isso serve para o futebol, tênis e golfe.

A UNITED tem como filosofia ser o último passo de um jogador ou treinador antes do sucesso. Por meio de metodologia própria de mercado e de sua estrutura, a empresa completa o talento do jogador o tornando em um atleta 110%. E é exatamente isso o que o mercado exige atualmente.

E, claro, busca-se fornecer serviços de maneira interpessoal e especializada, conseguindo elevar a qualidade de seu trabalho, direcionando-o para um foco único à excelência.

Em conversa com os sócios da empresa, é clara a percepção de que o objetivo é ajudar os atletas a atingirem o seu melhor estado em um mercado competitivo como o brasileiro.

E isso é feito com treinos individualizados e com rotinas de treino bem definidas para cada atleta, observando a necessidade de cada um. Dentre os princípios claros de atuação da empresa, há os seguintes: resiliência, profissionalismo, proteção, eficiência e respeito, buscando sempre a inovação.

Como a atuação dos jogadores nos gramados é bem mais curta em relação a outros profissionais, é muito importante que os atletas desde o início da carreira tracem suas metas quanto ao seu desenvolvimento. Lembrem que, se não se sabe para onde se quer ir, nenhum caminho servirá. A definição das metas é fundamental.

Ou seja, se determinado jogador sonha vestir a camisa de um time europeu, por exemplo, ele terá que construir metas a curto, médio e longo prazo, abrindo mão de muita coisa que poderia interferir na realização do seu sonho, como festas, baladas ou muitos relacionamentos. É mais ou menos a lógica de que você deve fazer o que você DEVE fazer.

Deve-se ter claramente a distinção entre querer e a sua vontade. Desejo está ligado com os aspectos absolutamente instintivos do ser humano. São elas: comer em excesso, sexo, festar desmedidamente, dentre outros. A vontade, por outro lado, é ligada ao sentido de dever. E você, leitor e leitora, sabe o que é dever. É aquele sentimento profundo que você tem certeza de que deve fazer. Por exemplo, treinar durante 4 horas por dia para, em 1 mês, ter 80 horas treinadas em 20 dias úteis. É chato as vezes? Sim, mas é um dever. Com isso, estará apto para ingressar em grandes times brasileiros e, sucessivamente, se quiser, ir para fora do país. É meta. É dever. É simples e complexo ao mesmo tempo, mas não há algo mais libertador. O que se quer dizer é o seguinte: deve-se ter equilíbrio entre ambos os elementos. O meio-termo é sempre uma boa pedida.

Fora o aspecto técnico, é importante o jogador de futebol traçar objetivos para a vida pessoal. Afinal, a grande maioria pendura as chuteiras por volta dos 35 anos de idade, ou seja, há muita vida pela frente. Após a vida de jogador/treinador, surgem muitos caminhos, dentre eles ingressar em equipe técnica de grandes clubes brasileiros, criar suas próprias empresas ou, ainda, viver com o valor que ganhou tranquilamente, porque conseguiu investir adequadamente o valor ganho durante os áureos tempos. É questão de estratégia.

Dessa forma, o jogador de hoje poderá ser no futuro um treinador ou dirigente de futebol. Também pode se transformar em empresário de outros segmentos ou até mesmo cursar uma faculdade que pode ser direcionada ao esporte, como Fisioterapia ou Educação Física. Enfim, com um planejamento bem alicerçado tudo é possível. Basta sonhar, imaginar, visualizar, traçar (identificar quando quer chegar em 1,3,5,10, 15, 20 anos) e chegar.

A vida de um jogador exige uma rotina de treinamentos. Cada atleta deve ser olhado como um ser humano (e não uma coisa, como muitos enxergam) complexo (justamente por ser humano, tem peculiaridades, tem seu próprio jeito, dentre outros elementos) e com inúmeras particularidades (treinos que servem e outros que não servem para cada jogador). O treino definido para cada jogador é fundamental para o seu desempenho.

Também há necessidade de ingerir suplementos alimentares adequadamente para o seu nível atual, além da própria alimentação equilibrada. Para isso, é fundamental ter a assessoria de profissionais da saúde que o auxiliem na ingestão do que realmente é necessário por conta do gasto calórico do dia a dia, lembrando que o atleta, a depender do objetivo, não pode perder músculo e ganhar excessivamente massa magra. Se assim o fizer, poderá gerar uma lesão.

Existe a possibilidade também de determinados patrocinadores fornecerem amparo financeiro ou com outros itens, dentre eles vestuário, alimentos, deslocamento, dentre outros.

Claro: o acompanhamento médico é muito mais do que fundamental. Sem isso, o atleta fatalmente encontrará um problema de saúde: arritmia, fratura ou outro desafio bem pior.

Por óbvio, também existe claramente a necessidade de contato com clubes e seus dirigentes, sem o que não adianta treinar, treinar, treinar e ninguém vê-lo. É fundamental que o jogador tenha contato com os melhores clubes do Brasil e do mundo, prezando sempre pelo profissionalismo, buscando adequar as necessidades do clube e do atleta/treinador.

Não é só isso: fundamental mesmo é fazer com que o atleta/treinador, além de sua técnica, seja reconhecido por sua própria marca. Ele deve transformar-se em uma entidade própria, desvinculada de qualquer outra coisa.

Por óbvio, tudo o que falamos acima é aplicado ao futebol, ao golfe e ao tênis, com a suas respectivas adaptações, mas o princípio é o mesmo. Na realidade, o que gira em torno dos três esportes é: persistência, disciplina, vontade, objetivos claros e uma excelente gestão profissional de sua carreira. E essa gestão serve justamente para você dar o enfoque no que é necessário: seu treino, seu jogo, sua vida.

O que se pretende com esta coluna é trazer aos seus leitores(as) este ramo interessantíssimo de atuação empresarial: gestão de jogadores/treinadores em suas mais diversas formas.

Para quem quiser mais informações sobre a empresa, é possível acessar as redes sociais no seguinte endereço: @UNITEDSPORTSBRAZIL, assim como seu sítio eletrônico: < https://www.unitedsports.net.br/>.

Um abraço forte a todos!

[1] André Cesar de Mello é advogado nas área tributária-empresarial, escritor de livros, artigos e professor nas referidas áreas.

[2] Wagner de Jesus Nascimento de Lima é esportista e sócio da UNITED SPORTS BRAZIL.

Previous ArticleNext Article
Janaina Chiaradia
Jurista, Mestre em Direito, Professora, Palestrante e Escritora.