O Brasil se armou. Importação de armas aumenta 33%

Com as medidas do presidente Jair Bolsonaro, os brasileiros estão se armando e a importação de armas bate recordes com aumento de 33% em 2021 em relação a 2020

Pedro Ribeiro - 31 de janeiro de 2022, 10:01

Bolsonaro mostra armas
Bolsonaro mostra armas

Levantamento feito pela BBC News Brasil, com base em dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia, mostra que o volume de importação de armas de fogo no Brasil aumentou 33% em 2021 em relação a 2020 e chegou a US$ 51,9 milhões, contra US$ 38,9 milhões. O aumento não foi apenas no valor importado, mas na quantidade de armas que entraram no Brasil.


No ano passado, houve um crescimento de 12% no total de revólveres e pistolas importadas (sem contar outros tipos de armas de fogo), chegando a 119.147 contra 105.912 em 2020, revela o site.

Entre fuzis, carabinas, metralhadoras e submetralhadoras houve um aumento de 574%. Em 2020, foram importadas 1.211 armas desse tipo. Em 2021, o número chegou a 8.160. Foi o segundo aumento expressivo consecutivo na importação desse tipo de armamento. Entre 2019 e 2020, houve um crescimento de 226% na entrada dessas armas no país, saindo de 371 em 2019 para 1.211 em 2020. Entre 2018 e 2019, o aumento havia sido de apenas 13%.

Segundo especialistas ouvidos pela BBC, o aumento na importação de armas pelo Brasil é resultado das mudanças feitas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro que tornaram mais fácil comprar armas no Brasil e dizem que esse crescimento pode ter efeitos negativos para a segurança pública

O Exército, responsável pelo controle das importações de armas no país, informou, por meio de sua assessoria de imprensa, não ter estudos sobre as causas desse aumento e que o órgão vem executando o rastreio e controle de armas e munições de acordo com a legislação. Procurados, o Ministério da Justiça e a Presidência da República não se pronunciaram.