Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Reforma política e os hamsters da vez

 Como era esperado – e não poderia ser diferente – as discussões sobre a reforma partidária não passou de ma..

Pedro Ribeiro - 22 de setembro de 2017, 12:09

 

ANÚNCIO

Como era esperado – e não poderia ser diferente – as discussões sobre a reforma partidária não passou de manobra para abrir as porteiras rumo à criação do fundão eleitoral que garanta dinheiro público para bancar a campanha dos fanfarrões do Congresso Nacional. Mais sujos do que pau de galinheiro, os parlamentares insistem em usar dinheiro do povo, que deveria ser investidos em escolas, segurança e saúde pública, para bancar suas campanhas já que, desde 2016, doações de empresas privadas estão proibidas, o que deverá melar muitas campanhas milionárias.

Analisando as discussões sobre a reforma política, o deputado João Arruda diz que os parlamentares fizeram o discurso fácil, e grande parte da opinião pública acreditou nos argumentos de que o Distritão é a vergonha da nação, porque facilita as reeleições, dificulta a renovação e enfraquece os partidos políticos. Porém, os mesmos que foram contra o Distritão concordaram que a coligação é um dos piores dispositivos que existem na legislação eleitoral atual.

Além das justificativas apresentadas contra o Distritão, a maioria afirmou que a coligação é uma negociata. Se a coligação é pior que o Distritão, por que não são contra o fim das coligações imediatamente? Por que só em 2020?

ANÚNCIO

Parece piada, mas os candidatos a vereador serão os hamsters em 2020 - um teste, quero dizer. Se for bom, continua; e, se for ruim, a gente volta para o modelo antigo ou troca as cobaias. É como combater a corrupção, aprovar um novo modelo tributário ou, até mesmo, rejeitar o projeto da cura gay, mas só a partir de 2020.

Eram contra o distritão porque são a favor da coligação. A coligação favorece a maioria dos partidos.  Temos quantos partidos no Brasil? Partidos que não têm projeto! Candidato a eleição majoritária precisa de tempo de TV e candidatos a eleição proporcional precisam de uma boa coligação. Reeleição é fruto da negociata entre caciques e candidatos a eleição majoritária.

A reeleição fácil, a renovação difícil e o enfraquecimento dos partidos nasce das coligações. Digo tudo isso para concluir que as críticas à Reforma Política foram usadas para manter a atual legislação: e pelas falhas dela, não qualidades.  Para que uma experiência nova, se a fórmula está dando certo? Fica a esperança de que o STF faça o que a Câmara não fez, e, mais uma vez, cumpram o papel do Legislativo.pedro.ribeiro