Semana mexeu com a política paranaense. Arns no governo?

A semana foi agitada na política paranaense com o surgimento de novos nomes para o Palácio Iguaçu.

Pedro Ribeiro - 29 de janeiro de 2022, 10:13

Senador Flavio Arns, Podemos
Senador Flavio Arns, Podemos

Dois fatos políticos levantaram das acomodadas cadeiras no Palácio Iguaçu e na Assembleia Legislativa, deputados e assessores do governo. A súbita entrada em cena do deputado Filipe Barros (PSL) que lançou pré-candidatura ao Palácio Iguaçu como opção bolsonarista, já que o governador Ratinho Junior continua em cima do muro em relação a apoio ao presidente Jair Bolsonaro e a possibilidade do senador Flávio Arns (Podemos) também ser lançado como pré-candidato pelo Podemos, já que o também governador Ratinho Junior ainda não se definiu em relação ao seu suposto apoio ao senador Alvaro Dias.


Com Filipe Barros e possivelmente Flávio Arns, o Paraná terá, oficialmente, até o momento, cinco pré-candidatos ao Palácio Iguaçu. Ratinho Junior, que busca sua reeleição, os dois já citados, Cesar Silvestre Filho e Roberto Requião. Em relação a Filipe Barros, a mídia nacional está mostrando que ele teria sido o responsável por vazamento de inquérito para ajudar Jair Bolsonaro a colocar sob suspeita o sistema eleitoral. Ele foi relator da proposta do voto impresso, derrubada na Câmara. Talvez, para ele, isso o credencie a ter apoio do presidente em sua possível tentativa de chegar ao Palácio Iguaçu.

O jornalista Aroldo Murá publica em sua coluna deste sábado, 29, que o senador Flávio Arns poderá ser uma das alternativas do Podemos ao Governo do Estado. “A possibilidade foi confirmada neste dia 28 ao site por membros do Diretório Estadual do Podemos. Tudo dependerá, claro, de o governador Ratinho Junior manter ou não seu compromisso de apoiar Alvaro Dias para o Senado”, escreveu Murá

Tivemos também nesta semana, debandada de políticos históricos do PSDB para outras agremiações. O presidente da Assembleia Legislativa, Ademar Traiano foi para o PSD de Ratinho Junior. Há quem sustente que Thiago Amaral e Alexandre Curi podem deixar o PSB se for concretizada a federalização com o PT de Luiz Inácio Lula da Silva.

Nota: Ainda nesta semana, divulguei aqui que o marketeiro marketeiro Marcelo Cattani estaria desenhando a campanha do candidato ao Senado, deputado Guto Silva que desmentiu a notícia. Devidamente corrigido