A carta do Severino e a indignação de Romanelli

Pedro Ribeiro


Ao sair em defesa da candidatura do ex-senador Osmar Dias (PDT) ao Governo do Estado, o deputado e líder do governo Beto Richa na Assembleia legislativa, Luiz Cláudio Romanelli (PSB)sustenta que a bancada do partido está fechada com Dias. Romanelli se pronuncia em público depois que o presidente estadual do partido, Severino Araújo, afirmou, em carta, “não haver unanimidade entre os integrantes da legenda sobre a filiação de Osmar Dias e sua candidatura ao governo. Para Romanelli, a carta é uma manifestação pessoal do presidente do partido.

Segundo Romanelli, a bancada do PSB na Assembleia e outros integrantes do partido não foram consultados sobre o conteúdo da carta. “O PSB continua aberto à filiação de Osmar Dias para que seja o candidato ao governo e não vê urgência na decisão, já que o prazo para definições partidárias só termina em março de 2018. A carta enviada não representa o pensamento dos deputados estaduais do PSB, tanto que o próprio presidente do partido já pediu que fosse desconsiderada. De nossa parte reiteramos o convite para que Osmar Dias filie-se ao partido e dispute o governo do Estado”, afirma Romanelli.

A opinião fechada do líder do governo na Assembleia Legislativa em torno da candidatura do ex-senador pedetista nos leva, também, à outra leitura: a de que grande parte da bancada do Governo estaria pendendo para o lado de Osmar Dias descartando Cida Borghetti e Ratinho Junior, dois aliados do governador Beto Richa. Espera-se que, a exemplo do não conhecimento do teor da carta de Severino Araújo, que Romanelli tenha se manifestado apenas como deputado integrante do PSB e não como líder do governo.

Gleisi quer reduzir salários

Enfim, a senadora paranaense deixou o grande líder de lado para atuar como legítima representante do povo paranaense no Senado Federal. Através de emenda, Gleisi quer que o governo Michel Temer reduza também os salários dos parlamentares para dividir o sacrifício imposto pelo mesmo governo com a Medida Provisória 805/2017.

Se o sacrifício vale para uns, tem de valer para todos”. Com essa justificativa, a senadora Gleisi Hoffmann protocolou nesta semana, no Senado Federal, uma emenda à Medida Provisória nº 805/2017, que posterga ou cancela reajustes salariais dos servidores públicos da União. “Se a justificativa de tal medida é a crise, ela não é seletiva e atinge a todos. O alto escalão dos três poderes precisa dar o exemplo”, disse Gleisi.

 

De acordo com a emenda da senadora, que recebeu o nº 107, essa medida deve ser temporária e atingir, pelo tempo que for necessária, também deputados, senadores, o próprio Presidente da República, ministros de Estado, a Procuradora-Geral da República e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). 

Já é injusto sacrificar os servidores públicos. É ainda mais injusto isentar desse sacrifício os detentores dos mais altos cargos da República”, completou.

Gleisi ainda defende que a partir de 1º de janeiro de 2019, os valores dos subsídios pagos aos membros do alto escalão voltem ao teto salarial praticado anteriormente, ou seja, antes do atual teto constitucional para os três Poderes. Com isso, dos atuais R$ 33,7 mil, esse teto cairá para R$ 29.462,25.

Perfil do candidato para o brasileiro

O pesquisador Maurício Moura, da Universidade George Washington, nos Estados Unidos, e fundador da consultoria Ideia Big Data, foi a campo entender quem é candidato de centro ideal para o Brasil. A equipe de Moura ouviu 10 000 eleitores, dos quais 57% disseram não querer nenhum candidato sequer citado na Operação Lava-Jato, independentemente de ter sido absolvido ou condenado. As informações são de Ana Clara Costa na Veja.

Em outra sondagem, com 3000 eleitores, 53% deles preferem um candidato de fora da política, e esse mesmo porcentual afirma ter rejeição a algum partido político. Nessa última fatia, 95% rejeitam PT (56%), PMDB (20,5%) e PSDB (19,7%). Entre as características que devem compor a personalidade do candidato, honestidade e transparência figuram em 42% das respostas, seguidas de bom caráter, com 7%

pedro.ribeiro

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal