A emoção e choro do menino Ratinho Junior, governador do Paraná

Pedro Ribeiro


Na Assembleia Legislativa do Estado, onde foi empossado governador do Estado do Paraná, o jovem Carlos Massa, Ratinho Junior, não conseguiu segurar sua emoção e chorou diante dos paranaenses e brasileiros ao agradecer sua família, em especial o pai, o apresentador Ratinho, pela conquista do maior posto de comando do Estado do Paraná.

“Trabalhei muito para chegar até aqui, sempre com respeito à família e as pessoas, sem arrogância. Desde os meus 21 anos de idade venho projetando o meu futuro em busca de um Paraná modelo no Brasil. Sempre presei pelo diálogo e respeito e vou continuar assim”, disse em seu discurso. “Para cumprir essa missão, eu e minha equipe vamos nos pautar em metas e objetivos”, pontuou.

Ratinho Junior garantiu aos paranaenses que não tem medo e que não cederá um milímetro sequer para acabar com o excesso da máquina pública. “Vamos trabalhar para trilhar o caminho da eficiência com respeito ao dinheiro público”.  O novo governador disse que quer uma saúde de respeito e qualidade, uma educação que prestigie o educador e uma segurança pública que de tranquilidade às famílias.

Em sua posse, não houve músicas como Primavera das quatro estações de Vivaldi, como no festivo governo anterior, mas canções sertanejas que falam a linguagem do povo do interior, onde nasceu, há 37 anos, em Jandaia do Sul, o novo governador do Paraná.

Ratinho Junior foi bastante polido em seu discurso. Não atacou ninguém e pregou o diálogo para governar, como deveria fazer todos os políticos que se pautam na democracia. No Palácio Iguaçu, onde assinou o termo de transmissão de cargo, ao lado da governadora Cida Borghetti, também manteve postura de estadista.

A governadora Cida Borghetti, que transmitiu o cargo, disse que “quando a gente pensa no Paraná do futuro, a gente pensa também no Paraná do presente e no Paraná do passado.

Um não existe sem o outro. É por isso que uma cidade, um estado, uma nação estão em permanente construção, em constante evolução. Isso porque o novo sempre vem, pois é próprio da natureza do ser humano reinventar-se sempre. O que envelhece são as ideias e as atitudes – e quando isso acontece, dizemos que a sociedade perdeu o bonde da história”.

A eficiência administrativa deu ao Paraná ganhos substanciais: Menos burocracia e mais agilidade nas decisões permitiram investir, de abril a dezembro deste ano, R$ 8,7 bilhões – o dobro do que foi investido no mesmo período do ano passado. São recursos para projetos e obras previstos no orçamento e que beneficiaram todos os 399 municípios, todos os paranaenses.

O trabalho incansável da nossa equipe de governo, o comprometimento dos servidores públicos, a sólida parceria com a iniciativa privada e o apoio incondicional da nossa gente foram determinantes para alcançar este excepcional resultado.

Segundo Cida, “enquanto muitos  estados parcelam salários e não pagaram o décimo-terceiro deste ano, o Paraná paga em dia seus funcionários e fornecedores. Enquanto a maioria dos novos governadores assume com o caixa vazio e dívidas a pagar, eu entrego o comando do Paraná ao governador Ratinho Júnior com as contas em dia e com dinheiro em caixa.

São R$ 5 bilhões e 300 milhões, até o dia 28 de dezembro, assim distribuídos:

– 4 bilhões e 300 milhões nas contas do Banco do Brasil

– 320 milhões reservados para precatórios

– 430 milhões no Porto de Paranaguá

– 118 milhões no Tecpar

– 100 milhões no Detran

– e 80 milhões na Celepar.

Como temos reafirmado com sua equipe de transição, governador Ratinho Júnior, deixaremos R$ 400 milhões de superávit, que são recursos livres para serem investidos da forma como seu governo desejar. Isso é consequência da responsabilidade com que administramos o Estado, colocando o equilíbrio das finanças públicas e o interesse da população em primeiro lugar.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.