Sintonia Fina
Compartilhar

A homenagem aos médicos que são exemplos éticos no Paraná

 Conselho de classe confere Diploma de Mérito a 98 profissionais que completaram 50 anos de formados O Conse..

Pedro Ribeiro - 05 de outubro de 2018, 11:10

 

ANÚNCIO

Conselho de classe confere Diploma de Mérito a 98 profissionais que completaram 50 anos de formados

 

O Conselho de Medicina do Paraná empossou no dia 1º de outubro o seu quadro de 42 conselheiros para cumprir mandato até 30 de setembro de 2023. Na mesma data, apenas algumas horas depois, coube ao grupo prestar a justa homenagem a 98 médicos com atuação no Estado que alcançaram 50 anos de formados com histórico ético exemplar. Em tempos de eleições políticas e de muita desconfiança da sociedade, é alentador exaltar personagens que dedicaram toda a sua vida a oferecer o melhor de si e da capacidade profissional em prol da atenção à saúde das pessoas e ainda no incentivo e formação de novas gerações de médicos.

ANÚNCIO

Do seleto grupo distinguido este ano com o Diploma de Mérito Ético-Profissional e o cristal simbolizando a Medicina, a maioria formou-se pela Federal do Paraná e Católica. Além disso, 43 têm ou tiveram sua atuação em Curitiba, 12 em Londrina, nove em Maringá, três em Ponta Grossa, dois em Paranaguá e em Cascavel e os demais de outras cidades. Na solenidade realizada na noite de segunda num Teatro Positivo totalmente lotado, o que não faltou foi emoção, envolvendo as famílias dos homenageados e o reencontro de amigos após tantos anos e jornadas em locais distintos.

Nada menos do que 62 dos médicos reverenciados pelo Jubileu de Ouro estiveram presentes ou foram representados. O cirurgião geral Winston Antonio Bastos, também professor da UEPG e que atua na Santa Casa de Ponta Grossa desde 1971, foi um dos homenageados e mereceu especial atenção por receber as comendas pelas mãos de cinco médicos da família: os filhos Angela Christina, Carlos Augusto, Eduardo Henrique e Luis Alberto e ainda a nora Sandra Regina. Ex-secretário municipal de saúde de PG, ele é membro da Academia Paranaense de Medicina e de elevado conceito em todo o Estado.

Formado pela Universidade de Santa Maria (RS), o Dr. Adriano Clóvis Nene Dorneles, de Curitiba, também teve a distinção de forma marcante, com a presença de cinco familiares médicos: as filhas Adriana Beatriz Almeida Dorneles da Silva e Juliana Almeida Dorneles, o genro Valdecir João da Silva e os netos Rebeca Dorneles da Silva e Guilherme Colla Romero de Souza. O ortopedista José Francisco Schiavon recebeu o abraço na solenidade de três dos filhos que seguiram seus passos não só na Medicina como na especialidade: Marcus, Marcelo e Marlus.

A homenagem aos médicos que completam 50 anos de atividade sem sanção ética foi instituída de forma pioneira no País pelo CRM-PR há 32 anos. Neste ano teve o recorde de diplomados, resultado principalmente da chegada de muitos médicos ao Paraná na segunda metade do século passado, em período de ocupação e desenvolvimento de muitas regiões. Há meio século, somente a Federal e a Católica formavam médicos por aqui. Daqui a poucos anos será comemorado o cinquentenário das primeiras turmas da Universidade Estadual de Londrina e Evangélica do Paraná.

Se nos idos de 1968 o Paraná oferecia menos de 200 vagas anuais nos cursos médicos, hoje a realidade é completamente diferente. Já temos quase 2 mil alunos ingressantes em 21 escolas abertas, além da 22ª anunciada pelo atual governo estadual para ser criada em Cornélio Procópio e que vem gerando protestos das entidades médicas. O Paraná tem hoje 26.556 médicos ativos (10.814 mulheres), num universo de 40.631 que foram inscritos pelo Conselho de Medicina desde a sua criação, há 60 anos.

Conselho de Medicina tem novo presidente

Ao empossar os seus 42 conselheiros para cumprir mandato para os próximos cinco anos, o CRM-PR teve eleito o seu quadro diretor para a primeira jornada de 30 meses. O novo presidente é o gineco-obstetra Roberto Issamu Yosida, que sucede na função ao pediatra Wilmar Mendonça Guimarães, agora ocupando a vice. Formado há 33 anos pela Federal do Paraná, Roberto Yosida passa a ser o 23º dirigente maior da entidade de classe que iniciou suas atividades há 60 anos. E ele inicia a gestão com o privilégio de, na mesma data (1º de outubro), já conduzir a solenidade que homenageia profissionais que se dedicaram 50 anos à atividade de forma ética e são exemplos a todas as novas gerações de médicos.

A Medicina é uma profissão a serviço da saúde do ser humano e da coletividade e deve exercida sem discriminação de nenhuma natureza. É o que preceitua o Código de Ética Médica já em seu artigo primeiro. A missão dos Conselhos de Medicina é de atuar com excelência em benefício da sociedade, supervisionando a ética profissional médica por meio de ações regulamentadoras, educacionais, fiscalizadoras, judicantes, cartoriais e políticas. Assim, nada melhor que propagandear à sociedade e àqueles que se iniciam ou se preparam para ingressar nos centros formadores os exemplos de que é possível cumprir os ensinamentos hipocráticos mesmo em tempos tão difíceis.

Natural de Nova Esperança (PR) e com 56 anos, o novo presidente do Conselho é casado e tem duas filhas. Sua atuação sempre esteve concentrada em Curitiba, após formar-se em dezembro de 1985. Ele tem um irmão médico, o Dr. Luiz Issao Yosida, formado em 1993 pela mesma Federal. Com destacada passagem pela Corregedoria do Conselho, por onde fluem as denúncias contra médicas, Roberto Yosida tem entre as prioridades de sua gestão o incremento das ações de educação médica continuada. Para ele, o trabalho de conscientização e formação ética, somado ao fomento do conhecimento, tem refletido na redução de denúncias e de processos éticos e de melhores indicadores na avaliação da conduta dos profissionais pela população.