A ladroagem no Brasil. Lula obtém a primeira vitória mas a batalha será longa

Pedro Ribeiro


  O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva poderá deixar a prisão em setembro deste ano com a redução da pena para oito anos e dez meses.  Ele teve sua pena reduzida, o que lhe permite este benefício. Mas ainda há a condenação pelo sítio de Atibaia que lhe dá mais 12 anos e 11 meses de cadeia. Agora se inicia um novo embate entre defesa e justiça para sua efetiva libertação.

Nunca antes na história deste País tivemos um ex-presidente, no caso Luiz Inácio Lula da Silva, e ex-governadores de Estados puxando cana por corrupção e lavagem de dinheiro. E o quadro poderá ficar ainda mais negro antes mesmo da virada para a próxima década com a inscrição de novos ex-governadores e de outras ex-autoridades no álbum mal afamado que a História deixará para a posteridade.

Nem se fala mais na quantidade de ex-deputados e empresários que se encontram enjaulados por práticas de corrupção ativa e passiva. Coube ao Rio de Janeiro puxar a fila dos criminosos a começar pelo ex-governador Sérgio Cabral e mais recentemente pelo sucessor Pezão, cuja alcunha bem poderia ser outra, a de uma das extremidades dos membros superiores. Estão os dois encarcerados aguardando possivelmente a visita do colega  Antony Garotinho, que já esteve guardado e anda pendurado nas teias do judiciário, podendo regressar a qualquer momento.

Do Tocantins  à Goiás, com os ventos varrendo outros Estados e também chegar ao sul para bater diretamente às portas do ex-governador do Paraná, Beto Richa que levou de reboque  para a prisão  o irmão José Richa Filho, por um curto período de cárcere, até serem soltos por decisão monocrática pelo sempre probo ministro do STF, Gilmar Mendes.

Ainda que tenham ficado pelo caminho outros personagens do pântano político –  expressão usada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes – gente como Aécio Neves, Fernando Pimentel, Zé Dirceu, e tantos outros que hoje gozam de uma liberdade amedrontada..

O combate à impunidade atingiu em cheio duas esferas de poder do Estado.

Apesar dos avanços, resta a sensação que o serviço foi incompleto e que ainda falta um pedaço.  

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.