A versão 2.021 do TCE promete mais rigor na fiscalização dos gastos públicos

Pedro Ribeiro


O Tribunal de Contas, versão 2.021, tem mostrado firmeza quando o assunto é fiscalizar ações dos poderes executivos e legislativos  envolvendo recursos do tesouro do Estado.

Ao questionar ações da Prefeitura de Curitiba sobre o transporte coletivo, o jovem presidente da Corte, Fábio Camargo, mostrou pulso forte e não dobrou os joelhos ao poderoso Rafael Greca, prefeito da capital. Agiu dentro do que reza a cartilha do TCE.

Foi firme também em suas decisões que resultaram em multas a prefeitos do interior do estado que burlaram a fiscalização e furaram filas no programa nacional de imunização com a vacina da Covid. Esses prefeitos deveriam ser cassados por improbidade administrativa.

Esperamos que, nessa nova versão, o órgão fiscalizador dos gastos públicos seja rigoroso também nos finais de ano, quando vem os balanços das prestações de contas do governo, da Alep, Câmaras e  prefeituras, não se limite ao que sempre acontece: aprovada com ressalvas. E nada mais…

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="756651" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]