ACP vai contra Prefeitura e Governo e convida para retorno ao trabalho

Pedro Ribeiro


A Prefeitura de Curitiba, Governo do Estado e autoridades sanitárias foram surpreendidas na tarde desta quinta-feira com nota oficial da Associação Comercial do Paraná (ACP), assinada pelo seu presidente, empresário Camilo Turmina, onde convoca os associados (perto de sete mil) a retornarem às atividades a partir da próxima segunda-feira, dia 13.

O convite para a volta ao trabalho vai de encontro às declarações do governador Ratinho Junior que, pela manhã, disse à imprensa que, caso haja relaxamento no isolamento social, tomaria medidas mais drásticas no sentido de que as pessoas fiquem em suas residências atendendo à orientações médicas.

“Nós temos que ter essa consciência do que estamos vivendo. Se a população colaborar, não vamos precisar tomar uma decisão mais drástica de quarentena severa.”

Também o prefeito de Curitiba, Rafael Greca, disse, em entrevista à CNN, que o executivo municipal estava usando R$ 500 milhões de fundo emergencial para combater a pandemia e reformou pedido para que a população fique em casa.

Tanto Greca quanto Ratinho Junior disseram que é importante o isolamento social neste momento e que retornem ao trabalho apenas atividades essenciais que, de uma forma ou outra, auxiliem no combate à doença.

Em nota, a Prefeitura de Curitiba mantém a recomendação de que apenas o comércio essencial seja mantido aberto e conta com a responsabilidade de todos os setores para barrar o avanço da covid-19 na capital. O momento é de isolamento social responsável, sendo que a análise e eventuais mudanças de conduta são permanentemente avaliadas pelo Comitê de Técnica e Ética Médica do município.

O Paraná Portal consultou advogados trabalhistas que foram unânimes em afirmar que se houver qualquer problema de doença com um funcionário de uma dessas empresas que, atendendo convite da ACP, retomarem os trabalhos, é passível de ação judicial.

NOTA DA ACP

A Associação Comercial do Paraná, atendendo aos pedidos da maioria dos seus associados, vem a público convidar os comerciantes a retornarem às atividades a partir da próxima segunda-feira (13/04), como forma de amenizar os graves prejuízos acumulados pelo comércio com o período da quarentena em razão do coronavírus (Covid-19).

Para não promover a difusão do vírus entre a população paranaense, a ACP propõe um horário diferenciado com equipes de trabalho reduzidas e com acesso limitado a 50% da capacidade de cada estabelecimento. O comércio funcionaria das 10h às 16h evitando acúmulo de pessoas nos horários de pico no transporte público. Cada estabelecimento comercial deve promover a restrição de acesso para não haver acúmulo de pessoas num mesmo espaço, fornecendo máscaras e álcool gel para os colaboradores em cada estabelecimento.

A ACP compreende a preocupação das autoridades sanitárias mundiais, mas não pode se omitir aos apelos de seus associados, em grande parte microempresários, que não podem mais permanecer inteiramente fechados. Os governos federal e estadual tomaram medidas para reduzir os problemas financeiros das empresas, tais como concessão de empréstimos com juros reduzidos, prorrogação para pagamento de impostos, dentre outras medidas. Todas elas são fundamentais para este momento crítico, mas a reabertura dos estabelecimentos comerciais é necessária para não aniquilarmos por completo as micro e pequenas empresas, que são grandes geradoras de emprego e renda.

A Associação Comercial do Paraná tomou a iniciativa de fechar as atividades não essenciais. Agora seguimos na vanguarda para recomendar o retorno ao trabalho, já na próxima segunda-feira. Trabalhadores dos grupos de risco devem continuar a quarentena, se valendo das medidas do governo para garantia de renda até o final do isolamento social.

Camilo Turmina

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.