Agentes da segurança pública ameaçam paralisação no Paraná

Pedro Ribeiro


“Os policiais estão doentes, trabalhando sob forte pressão, com falta de equipamentos e desmotivados”. Este é um dos diversos argumentos que as forças de segurança do Estado  (policiais) estão colocando à população paranaense e em especial do governador Ratinho Junior, justificando campanha de melhorias nas condições de trabalho. Os policiais  não descartam uma possível paralisação das atividades, ou operação “tartaruga”.

Os agentes de segurança pública estão convocando toda a  categoria para o lançamento da UFS – União das Forças de Segurança Pública do Paraná – dia 24 de fevereiro à partir das 10 horas na sede da Adepol (Rua Padre Agostinho, 850 – Mercês).

No apelo, sustentam que os servidores das forças de segurança pública do Paraná estão unidos na luta pela valorização profissional e o pagamento da data-base.

POLICIAIS ESTÃO DOENTES, AFIRMA DOCUMENTO

Para a categoria, é inadmissível o abandono do Governo e o descaso com a segurança pública e até mesmo uma paralisação não está descartada pelo movimento. Os policiais estão doentes, trabalhando sob forte pressão, com falta de equipamentos e desmotivados.

Integram a União das Forças de Segurança do Paraná (UFS) 11 associações e sindicatos dos policiais civis, policiais militares e agentes penitenciários do Paraná: Adepol, Sinclapol, Sinpoapar, Sidepol, Amai, AVM, Assofepar, APML, SBSS, Sindarspen e Clube dos Oficiais.

 

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="746257" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]