Alvaro destaca proposta de Auxílio Brasil sem furar teto de gastos

Pedro Ribeiro

senadores discutem PEC 12-2019

O senador Alvaro Dias defendeu, nesta terça-feira (23), o pagamento do Auxílio Brasil, porém por meio de uma proposta alternativa, elaborada pelo Podemos juntamente com economistas, que oferece fontes de recursos que viabilizam o benefício sem furar o teto de gastos ou dar calote no povo brasileiro.

“Não há como não ter como não ter compaixão com os brasileiros que passam fome. O Podemos é favorável às medidas pertinentes ao aumento e à expansão do Bolsa Família. É perfeitamente possível o incremento no Auxílio Brasil sem derrubar o teto de gastos”, disse o ex-juiz e candidato à Presidência, Sergio Moro, em entrevista no Senado.

“Viemos com a preocupação, que deve ser de todo o país, de preservar uma política fiscal responsável, que permita a arrumação das contas públicas, e não a desarrumação por meio de uma emenda constitucional que desorganiza de forma perversa as contas com o furo do teto de gastos, além de promover um calote subtraindo direitos adquiridos”, ressaltou Alvaro Dias, líder do Podemos.

Para o senador, a proposta que vem ao Senado “dá com uma mão e tira com a outra, na medida em que de um lado assegura o Auxílio Brasil, enquanto do outro promove consequências desastrosas. “Não funciona a política do devo não nego, pago quando puder”, criticou.

Alvaro Dias destacou ainda que a desarrumação das contas públicas “promove o aumento do endividamento do país, e a dívida pública que já cresce de forma avassaladora será incontida, provocando alta de taxas de juros, inflação, recessão e mais desemprego”. “Somos favoráveis ao Auxílio Brasil sim, permanente. Mas somos contrários a furar o teto de gastos e dar calote nos brasileiros”, cravou.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) alternativa, apresentada pelo senador Oriovisto Guimarães, foi elaborada pelo Podemos em colaboração com uma equipe de técnicos e economistas, incluindo o Instituto Fiscal Independente (IFI). A proposta utiliza, por exemplo, recursos que eram destinados pelo governo para pagar “emendas de relator”, conhecidas como “orçamento secreto”.

O ex-juiz Sergio Moro, que também participou da coletiva de imprensa que aconteceu no Senado, defendeu a proposta do Podemos. “A grande questão que se coloca hoje é se responsabilidade social é incompatível com responsabilidade fiscal. E a resposta que a bancada do Podemos no Senado tem a apresentar é que as duas caminham juntas”, enfatizou o pré-candidato a presidente da República.

“O Podemos no Senado é absolutamente favorável ao combate à pobreza. Este é um dos objetivos fundamentais, inclusive escritos na nossa Constituição da República. E não há como não ter compaixão com os brasileiros e brasileiras que infelizmente passam fome decorrente do desemprego e de uma política econômica equivocada”, acrescentou.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="805514" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]