Alvaro Dias contesta fundo eleitoral e diz que é muito dinheiro nos cofres de alguns partidos que mais parecem organizações criminosas

Pedro Ribeiro

 

Quando o Paraná ainda era a quinta comarca de São Paulo foram especialmente os baianos que promoveram a autonomia política de nosso Estado, em 1853”, lembrou o senador Alvaro Dias (Podemos) ao receber, na sexta-feira, título de Cidadão Honorário de Salvador (BA). A estreita relação entre os dois estados não parou por aí. Segundo o senador paranaense, o primeiro governador da então província do Paraná foi o baiano Zacarias de Góes e Vasconcellos (1815-1877). E depois de Zacarias, acrescentou, diversos outros baianos governaram o Paraná, entre os quais Francisco Liberato de Mattos, Galvão de Queiroz, Antônio Luís Afonso de Carvalho, Rodrigo de Oliveira Menezes e Sancho de Barros.

Alvaro Dias citou ainda dois outros baianos que tiveram fundamental importância para o desenvolvimento  do Estado do Sul do País: os  irmãos Antônio e André Rebouças,  responsáveis pelos estudos e soluções técnicas que viabilizaram a construção da estrada de ferro que liga Paranaguá a Curitiba. “Na época, se considerava impossível a transposição da Serra do Mar, mas os engenheiros baianos projetaram pontes, túneis que até hoje garantem o transporte das riquezas do Paraná ao Porto do Paranaguá”, afirmou.

Em entrevista, o senador disse: “Sou contra esse fundo eleitoral.  O distritão tem seus pontos negativos e positivos, mais é algo provisório, só para próxima eleição. O mal de tudo isso é a criação desse fundo eleitoral, o povo brasileiro não aceita isso, é uma indignidade você querer colocar, tanto dinheiro nos cofres de alguns partidos que são organizações criminosas, por isso o nosso combate a essa iniciativa”, finalizou.


O senador Alvaro Dias também fez uma avaliação do quadro político nacional e foi bastante franco. “Alguns que se dizem não políticos foram os que se locupletaram dela”, disse. E ainda aproveitou para lembrar um pouco de sua trajetória política. “Eu combatia só. Muitas vezes me sentia só. Certa vez encarei o ministro Mantega e lhe disse: sei que está tudo dominado, mas vou seguir fiel aos meus ideais”.

Sem fazer alusão a qualquer eventual concorrente na corrida sucessória, Alvaro Dias, nas diversas entrevistas que concedeu, também fez uma espécie de alerta ao eleitor. “É preciso convencer o eleitor que existe salvação na ética, trabalhando com experiência e responsabilidade”. E ao final, o líder do Podemos deixou uma mensagem importante para os brasileiros que apostam no agronegócio e vivem do campo. “Os últimos governantes do Brasil, pode ver, um a um, são urbanos. Eu nasci no campo, sou sincero, valorizo o agronegócio”.

No seu discurso, Alvaro Dias admitiu ainda que o Brasil vive hoje um momento de descrença na política e nos políticos. “Vivemos um tempo sem precedentes, mas vamos sair deles com instituições mais sólidas e respeitadas”, acredita o senador, lembrando o ano de 2013 quando a população foi às ruas  clamar por um novo país. “O anseio de mudança chegou ao Ministério Público, a Polícia Federal, a Justiça Federal. Não chegou ainda ao mundo político, mas isso mudará pela vontade irreversível das pessoas de construírem uma grande nação brasileira”. O senador também lembrou os mais de dez milhões de desempregados existentes hoje no Brasil. 

Precisamos vislumbrar o sofrimento dos pais de família que batem de porta em porta na busca do emprego, não encontram e, ao chegar em casa, constatam que não têm como pagar as contas do mês. Mas os brasileiros não aceitam o fracasso e querem percorrer os caminhos difíceis do progresso e do desenvolvimento de nosso país”. Para isso, concluiu ele, é preciso acabar com a incompetência e corrupção dos governantes que voltam as costas para o povo que o elegeram.

O presidente Estadual do Podemos na Bahia, Bacelar, falou sobre o  título de Cidadão Baiano, concedido ao senador Alvaro Dias: “Aumenta a responsabilidade desse homem público que tem uma vida ilibada, limpa, com muita competência, mais de 50 anos na vida pública, sem nada que manche a sua trajetória. O melhor governador da história do Paraná, senador há quatro mandatos, e que trás uma boa proposta para o Brasil”.pedro.ribeiro

Post anteriorPróximo post
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.
Comentários de Facebook