Onde aperta o calo do governador

Pedro Ribeiro


 

Há quem sustente que, ao assumir o Palácio Iguaçu, em janeiro de 2019, o governador Ratinho Junior teve a seguinte recomendação do pai, o empresário e apresentador de televisão, Carlos Massa (Ratinho): “faça tudo dentro da lei e mantenha sua conduta de homem público, voltado aos interesses do Estado e às demandas da população, com ética, responsabilidade e acima de tudo honestidade”.

O recado do pai tem sentido, porque qualquer desvio de conduta pode colocar em risco o patrimônio da família, conquistado com muito trabalho, inclusive com a ajuda do filho que dirigia parte das empresas do grupo.

Ratinho Junior vem cumprindo a orientação do pai e começa a se preocupar, não com sua conduta, mas com as ações periféricas em seu governo e com as próprias ciladas que o executivo pregado em seu gestor em relação a orçamentos, arrecadações e investimentos. O compromisso é grande com a população e governador sabe que não pode errar.

Até o momento, pelo que se tem conhecimento, Ratinho Junior ainda não precisou demitir nenhum secretário de estado, a não ser mudar a direção da Secretaria da Fazenda, justamente porque ali estaria reservado o sucesso do seu governo. Sem arrecadação não existe dinheiro para investimentos e isso pode afetar toda a pirâmide administrativa do governo.

Foi justamente na Secretaria da Fazenda que acendeu luz amarela para o governador. A queda em perto de R$ 5 milhões na arrecadação, poderá comprometer investimentos em toda a cadeia administrativa do governo, em especial nas áreas básicas como saúde, educação e segurança pública.

È claro que Ratinho Junior pode buscar recursos no Governo Federal mas também sabe que ali a fonte está seca e que não pode comprometer o futuro do Estado com dívidas.

Foi com ciência dessa situação e já prevendo situação desconfortável no futuro que o governador resolveu encarar com frieza e dentro da realidade a negociação salarial com os servidores públicos, mesmo sabendo que poderia lhe custar perdas políticas.

Falta saber, agora, se o Governo do Estado terá recursos para pagar os reajustes prometidos aos servidores públicos.

A ordem, novamente, é economizar com gastos públicos, reduzindo a máquina. E, pelo jeito não tem mais de onde tirar, pois tudo o que poderia ser feito, já foi feito.

 

 

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.