Barros entra em campo no “Mais Brasil e menos Brasília”

Pedro Ribeiro


O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), acabou promovendo apoio à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que aumenta recursos para o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) de forma permanente. O líder, inclusive, minimizou o impacto da PEC para os cofres do governo, atropelando o discurso da equipe econômica, que alertou para o risco dessa proposta prosperar. As informações são do Estadão.

Hoje, representa, uma perda de receitas de R$ 4 bilhões por ano e de R$ 43 bilhões em 12 anos. “Não é o melhor momento, mas está no DNA liberal do governo”, escreveu o líder no Twitter numa mensagem em que usa como argumento de defesa da proposta o “lema” do governo Bolsonaro de uma maior divisão dos recursos para os Estados e municípios – política que ficou conhecida como “Mais Brasil e Menos Brasília”. Essa política sempre foi defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

“Mais Brasil e Menos Brasília. Este é o lema do Presidente Bolsonaro. A votação da PEC que dá 1% a mais de FPM aos municípios impactará o orçamento 2021 em RS 700 milhões. Não é o melhor momento, mas está no DNA liberal do governo”, escreveu Barros num tuíte publicado com foto dele ao lado do presidente Jair Bolsonaro e do ministro Luiz Eduardo Ramos, que cuida da articulação política. O valor citado por Barros é menor do que a conta da própria equipe econômica, que estimou uma perda de R$ 1 bilhão em 2021.

Esse é o impacto previsto para o primeiro ano de vigência da proposta. Isso porque o aumento, segundo o texto, é feito em fases: 0,25% no primeiro e segundo anos; 0,5% no terceiro e 1% a partir do quarto ano.

Segundo o Estadão, Barros avisou mais cedo que não pedirá a retirada da PEC e jogou a responsabilidade para Maia. O presidente Bolsonaro não quer ficar mal com os prefeitos, que têm essa demanda há anos. “O presidente Rodrigo Maia mantendo em pauta, sabe da posição favorável dos partidos no primeiro turno”, provocou Barros numa primeira mensagem no Twitter. Barros já avisou a interlocutores que a proposta, se entrar em votação, será aprovada. Como é PEC, não há possibilidade de veto.

Parlamentares da base governista são favoráveis e argumentam que o próprio Guedes tem insistido na tese de “Mais Brasil e Menos Brasília” na distribuição de recursos entre os entes da Federação.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="735614" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]