Bley Lipsky assume presidência do BRDE e promete transformá-lo na maior instituição do Brasil

Pedro Ribeiro


O vice-presidente e diretor de Operação do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE – no Paraná, Wilson Bley Lipsky, assume dia três de novembro a presidência da instituição, com atuação no Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul. Dia 30 será empossado em solenidade no Palácio Iguaçu com a presença dos integrantes do Codesul, representados pelos três governadores da região Sul e Mato Grosso do Sul.

Nossa gestão, como presidente do BRDE, será marcada pela aproximação da instituição com a sociedade, atuando com políticas públicas voltada às demandas de empreendedores do campo ou da cidade, pequenos ou grandes e principalmente dos municípios. Vamos transformar o BRDE na maior instituição de fomento e desenvolvimento regional do Brasil”, afirmou Lipsky em entrevista ao Paraná Portal. Hoje o BRDE conta com uma carteira com 32 mil clientes em 1.285 municípios.

Conhecedor das demandas dos municípios desde a época em que foi diretor do Paraná Cidade e Secretário de Estado do Desenvolvimento Urbano, o lapeano formado em Direito pela PUC, disse que “este período pandêmico serviu de lição e aprendizado à instituição que montou uma equipe de profissionais altamente preparados e comprometidos para enfrentar os desafios da enfermidade que vitimou mais de 600 mil brasileiros”.

APOIO A PERDAS COM INTEMPÉRIES

Esta mesma equipe – continuou – também passou por outros desafios como as intempéries que destruíram grande parte de várias cidades paranaenses. “Nesta segunda-feira (25) promovemos uma reunião com vários representantes municipais e de associações comerciais, cooperativas de créditos e anunciamos a liberação de R$ 20 milhões para micro e pequenos empreendedores. Temos duas equipes percorrendo os municípios atingidos pelas tempestades e chuvas”, disse.

Lipsky disse que o banco teve atuação de excelência na crise do coronavírus que fez com que se aproximasse mais da sociedade, da população e contribuiu para torná-lo mais conhecido como agente de apoio à economia. O planejamento estruturado foi essencial na distribuição de crédito aos estados do Sul, onde atua. “As contratações de crédito em 2021 devem bater na casa dos R$ 3,5 bilhões. Em 2020 foram R$ 3,3 bilhões, dos quais R$ 1,5 bilhão no Paraná”, revelou.

Estamos nos preparando para captação de recursos no exterior e nosso primeiro parceiro é Luxemburgo. Embora nosso carro-chefe seja ainda o agronegócio – cooperativas – estamos desenvolvendo projetos para a área da sustentabilidade e governança. Vamos lançar no mercado R$ 3,5 bilhões em cinco anos para financiamentos a empreendimentos de energia renovável”, pontuou o novo presidente do BRDE.

CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO MERCADO INTERNACIONAL

No próximo ano, “vamos sair ao mercado para captar recursos, entregando dinheiro com longo prazo e condições razoáveis de juros. Há cinco anos 99,3% dos recursos eram do BNDES. Diversificamos e agora a dependência é de 55% aproximadamente. Não podemos ficar acomodados e esse perfil de diversificação está dando bons resultados”, disse.

O BRDE, segundo ele, abriu suas portas. “Estamos montando uma verdadeira fábrica de projetos e vamos auxiliar os municípios repassando os conhecimentos de nossos técnicos para o atendimento ao conjunto da sociedade. Nossa intenção é desburocratizar nosso mix de produtos e serviços de captação de recursos para grandes, micros, pequenos e médio empresários e assim estarmos mais presentes na sociedade. Vamos acompanhar os projetos até a entrega do dinheiro”.

Lipsky disse ainda que o objetivo é aumentar a carteira de crédito aos municípios dentro da visão e espírito de geração de emprego e renda para auxiliar na construção e desenvolvimento do Estado.

Segundo ele, o BRDE mudou de patamar, para usar uma expressão da moda. Um caminho que, diz, é sem volta. O BRDE ficou pop e amplia sua carteira de projetos para se aproximar cada vez mais da sociedade, atendendo a uma premissa desenhada pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior já no começo da gestão.

Com números robustos e inéditos, ele conta que as contratações em 2021 devem bater na casa dos R$ 3,5 bilhões, recorde a ser celebrado, já que em 2020, a antiga marca, foram R$ 3,3 bilhões. Desse total, R$ 1,5 bilhão foi em aprovações no Paraná, valor que indica a aceleração da retomada econômica estadual.

Assumi o banco com um grande desafio: tornar o BRDE mais próximo das políticas públicas do Estado, mais afinado com o planejamento de governo, atendendo a um pedido direto do governador Carlos Massa Ratinho Junior. Já em 2019 conseguimos números históricos e aí, em 2020, veio a pandemia. Por sorte, o BRDE tinha se programado para lançar um grande programa, o Promove Sul. Isso nos permitiu fazer um atendimento mais pontual e contundente, ajudando no cenário econômico afetado pela evolução da pandemia”.

DEPOIS DE 6O ANOS, DESAFIO É SOBREVIVER MAIS 6O

Completamos 60 anos agora e o desafio passa a ser sobreviver a mais 60 anos. Mostrar a importância para a sociedade. Administramos esse banco com muita responsabilidade, com conselhos e auditorias de três tribunais de contas e também do Banco Central. Captamos recursos de fornecedores tradicionais como o BNDES, mas aprendemos a buscar de outras fontes. Por exemplo, estamos hoje, em curso, com oito empréstimos internacionais”, disse em entrevista à Agência Estadual de Notícias.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="799281" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]