Bolsonaro terá que negociar – toma la dá cá – para aprovar a reforma da Previdência

Pedro Ribeiro

 

 

Encurralado, o governo terá que ceder se quiser apoio do Congresso Nacional para aprovar a reforma da Previdência. Bolsonaro sabe disso. E começou a prática do toma lá dá cá. A Casa Civil do governo já negocia com deputados e senadores de primeiro mandato com repasses individuais que podem chegar a R$ 5 milhões, já que esses novatos só terão direito às emendas parlamentares a partir de 2020.

Bolsonaro esperneia, mantém sua teimosia, mas vê que não existe outra alternativa a não ser negociar e mudar algumas regras do projeto do Executivo Federal da reforma da Previdência.

Com o mimo, a intenção é que os calouros do Congresso possam destinar recursos a seus redutos eleitorais para a conclusão de obras já em curso e também para ações e serviços em saúde e educação.

Dos 513 deputados, 243 estão no primeiro mandato. No Senado, 46 dos 81 são novos. Se a equipe econômica aprovar o valor próximo a R$ 5 milhões, o total liberado será de aproximadamente R$ 1,4 bilhão para deputados e senadores eleitos em primeiro mandato.

Bolsonaro terá que negociar também com os governadores que estão sem caixa. E assim começa o primeiro grande desafio do presidente.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.