Brancaleone nas redes sociais

Pedro Ribeiro


 

Nem o sizudo ex-juiz federal e agora ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, resistiu ao uso de recursos das redes sociais para governar. Moro mostrou ao mundo o seu endereço no twitter, com direito a selfie em sua página no face.

O pior mesmo foi o bate-boca na Câmara Federal, onde o ministro Paulo Guedes enfrentou sozinho a fúria da oposição, liderada pelo deputado petista Zeca Dirceu. Ninguém, nenhum general, capitão, tenente, sargento ou soldado saiu em defesa do ministro que enfrentou sozinho a batalha como Brancaleone. Só o defenderam depois, nas redes.

O que vimos na discussão na Câmara Federal pela reforma da Previdência, foi um ministro efetivamente engajado com a causa, porém só. O governo não pode contar sequer com o próprio partido de Bolsonaro, o PSL, que marcou discretíssima presença na sabatina do ministro. Nem o deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente e nem a deputada Joice Hasselmann (PSL), líder do governo no Congresso, se dispuseram a proteger Paulo Guedes.

Os dois preferiram defendê-lo após os ataques nas redes sociais

 

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.