Brasil: chegou a hora do encontro com a verdade

Pedro Ribeiro



Rodrigo Maia foi o cavalo do bandido nas manifestações de rua

Jair Bolsonaro sabia que as manifestações de rua em seu apoio poderiam mexer com os brios de parlamentares no Congresso Nacional. Tinha razão. O presidente da Câmara dos Deputados foi o cavalo do bandido na “festa da democracia”, como disse o ministro Sergio Moro. Apanhou e não gostou. Qual será sua reação é o que vamos ver durante a semana.

Bolsonaro, que preferiu ir a um culto ao invés das ruas, gostou das manifestações e disse que vai conversar com Rodrigo Maia durante a semana. Informou que também vai falar com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre e com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli. O presidente quer “um pacto para botar o Brasil no destino que essa população maravilhosa quer”.

O senador Oriovisto Guimarães (Podemos) avalia as manifestações não pelo lado do conflito entre o Congresso Nacional e o Palácio do Planalto, mas pelas demandas da sociedade em relação aos dois e por um Brasil melhor.

“O Brasil quer mudanças, quer empregos, quer uma economia crescendo 5%ao ano, quer uma justiça ágil que coloque os brandidos de colarinho branco ou de qualquer cor, na cadeia. O Brasil não suporta mais políticos corruptos que preferem paralisar o país para atender seus mesquinhos interesses pessoais, ao invés de fazer as grandes reformas que podem colocar o país na rota do crescimento e da felicidade do nosso povo”.

Para o senador paranaense, “é preciso acabar com privilégios, reformar a política, reformar a justiça, reformar a política tributária, reformar a previdência. Estas são as bandeiras dos dias atuais. Nosso povo vai atropelar todos os que insistirem em viver em um passado que nos trouxe a situação atual com mais de 13 milhões de desempregados. Dizia na minha campanha para o Senado que o Brasil tinha um encontro marcado com a verdade. Digo hoje que a hora chegou”.

 

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.