Brasil precisa de democracia e paz para voltar a crescer, defende Romanelli

Pedro Ribeiro




O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) defendeu enfaticamente a democracia e afirmou da necessidade urgente do entendimento entre as instituições para vencer definitivamente a covid e combater a fome, a miséria, o desemprego e a inflação em escaladas crescentes no país. Romanelli 
classificou qualquer tentativa de ruptura da ordem constitucional como “infame” e pediu paz para que o Brasil possa se desenvolver.


Na sessão desta quarta-feira, 1º de setembro, na Assembleia Legislativa, o deputado citou o artigo do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, como norte para impedir qualquer ataque ao Estado Democrático de Direito. Lewandowski 
 expôs que a Constituição Federal estabelece penalidades e sanções para todos aqueles que planejam um golpe de estado. “O texto é claro e didático”, disse. “Alerta civis e militares para as consequências de um ato tão infame”, completou

Romanelli afirmou que a democracia brasileira foi bravamente reconquistada há apenas 35 anos com grande mobilização da sociedade. “Reconquistamos nossos direitos por meio de um enorme movimento popular, do qual tive a honra de participar ativamente. Lotamos as ruas, mobilizamos instituições e fomos vitoriosos”.

História – 
“O autoritarismo foi enterrado com a Constituição de 1988”, frisou Romanelli. Segundo ele, é triste e preocupante conviver com ataques e declarações contra o sistema eleitoral, direitos universais e liberdades fundamentais. “Não é aceitável que agentes do estado e cidadãos afrontem e ataquem outros poderes, a imprensa livre e os direitos individuais e coletivos”, completou.

O deputado também lembrou que a história mostra que é a democracia que liberta as sociedades do obscurantismo e da intolerância. “Não há adjetivo, portanto, para classificar qualquer tentativa de transformar o Brasil numa república de terceira classe”.

Sistema eleitoral – Romanelli também classificou como absurdas as ameaças ao já consolidado processo eleitoral brasileiro. “São atos que sinalizam tão somente um forte apego ao poder”, afirmou. “Retomar coisas como o voto impresso é regressar 100 anos no tempo. É apostar na volta do coronelismo como sistema preponderante. É relegar o controle político da sociedade na mão de poucos privilegiados”.

O Brasil precisa reagir, diz o deputado, com firmeza a qualquer tentativa de ruptura. “As respostas aos iluminados que quiserem que o País dê meia volta na sua trajetória democrática precisam ser na mesma altura e intensidade, conforme a lei”, expressou. “Projetos de poder não podem e não vão prevalecer com ameaças à democracia e desrespeito ao modelo eleitoral brasileiro”.

Ao defender a democracia e a Constituição, Romanelli pontuou que o País deveria estar discutindo formas de se reerguer da tragédia da pandemia. “O que mais me assusta nisso tudo é estarmos debatendo arroubos golpistas enquanto a população brasileira passa fome, a inflação volta com força e enquanto o desemprego bate à porta de todas as famílias”.

Paz e democracia – “Sabe do que o país precisa neste 7 de setembro?! Precisa de Paz”, sustentou Romanelli. “Paz para unir as diferentes correntes políticas em torno de um objetivo maior. Paz para voltar a se desenvolver. Paz para retomar os empregos”, declarou o deputado.

Na avaliação do deputado, todas as famílias brasileiras, na cidade e no campo, merecem respeito e precisam de tranquilidade para poder retomar a normalidade de suas vidas. “Precisamos de paz para que possamos nos juntar e construir um projeto de País. Isso é a democracia!”.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="787424" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]