Candidatos! Por favor, façam uma comparação entre a inflação e os preços das tarifas de energia, água e transporte coletivo. Esse é o discurso

Pedro Ribeiro


 

Enquanto os candidatos ao Governo do Estado se pegam, literalmente, na porrada, vamos mostrar aqui alguns dados levantados pelo IBGE e divulgados pelo Estado em relação à inflação e as reais condições de vida dos brasileiros, em especial os de renda média para baixo.

Mesmo com inflação baixa, com resultado até negativo (0,90%), os brasileiros estão carregando um fardo pesado e com bolso vazio. Além do desemprego continuar alto, o que reduz a renda, o elevado reajuste das tarifas ampliou os gastos das famílias com despesas obrigatórias, como energia elétrica, gasolina, gás, passagem de ônibus, entre outras.

Com isso, uma parcela crescente do orçamento, que já passa de 25%, vem sendo comprometida com esses gastos, sobrando menos recursos para outras despesas.

Poucos candidatos falam em reduzir as tarifas de luz, água e passagem de ônibus. Ouvi do candidato João Arruda que vai diminuir não apenas os preços da passagem de ônibus, como a tarifa da luz e da água, o que, no meu entender, não será tarefa fácil, já que no caso da Sanepar e da Copel, quem manda são os acionistas e o governo apenas tem um gestor.

Cida Borghetti também sinalizou com redução, para auxiliar os paranaenses que estão não apenas endividados, mas com dificuldades para pagar as tarifas. Se fosse uma tarefa fácil ela, como governadora, teria feito. Teve dificuldade, inclusive, com reajuste do servidor público, pois perdeu na Assembleia Legislativa.

Voltamos às tarifas. Em 2018, pelo segundo ano seguido, os preços administrados, aqueles cujos reajustes são determinados pelo governo e independem da oferta e da demanda, estão subindo muito acima da inflação geral e também dos preços livres, não regulados. De janeiro a agosto, os administrados aumentaram 6,64%, mais que o dobro da inflação geral de 2,85%, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), e superaram o avanço dos preços livres (1,55%).

No ano passado, os administrados tinham subido 5,08% entre janeiro e agosto e fecharam o ano em 8%. Economistas calculam que os preços administrados repetirão a alta de 8% neste ano. 

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.