Concurso de redação do governo foca a corrupção

Pedro Ribeiro


Os textos vencedores do 1º Concurso de Redação da Controladoria-Geral do Estado estão expostos no térreo do Palácio Iguaçu, no Centro Cívico, em Curitiba. São 10 trabalhos de alunos do Ensino Médio, sobre o tema “A corrupção, seus reflexos comportamentais e impactos na sociedade”, com o objetivo de suscitar o debate público sobre o assunto. A exposição pode ser visitada das 8h às 17h, por 20 dias.

O concurso foi lançado junto com as ações do aniversário da Controladoria-Geral do Estado, no fim de outubro, e a premiação ocorreu em 9 de dezembro, no 2º Simpósio Paranaense de Combate à Corrupção – Faça a coisa certa, promovido pela CGE. Os alunos receberam bolsas de estudo para a Fapi – Faculdades de Pinhais, para qualquer um de seus 14 cursos, para o Centro de Línguas e Interculturalidade (Celin) da Universidade Federal do Paraná e para curso de informática no Dataenter.

GANHADORES

O concurso foi idealizado pela CGE para chamar os adolescentes para a discussão dos reflexos da corrupção na sociedade. “Ao contrário do que admite o senso comum, a corrupção não nasceu junto aos políticos, sua origem é a sociedade, que por meio de pequenas infrações sustenta uma cultura de ‘jeitinho’”, escreveu Ângela Pienegonda Terres, que conquistou o 1.º lugar.

Os outros ganhadores, de acordo com a ordem de classificação, foram Guilherme Antunes, Maria Clara Xavier de Souza Giuliana Tuler de Oliveira, Bruna Teixeira Amorim, Giovani Trierweiler Alves, Matheus Eduardo Antunes Gomide, Luciano Augusto Gasparin, Matheus Kleves Caetano Gonçalves e Maísa Ribeiro Leone Silva. Todos são alunos do último ano do Colégio Estadual do Paraná, parceiro na promoção do concurso.

ITINERANTE

A Coordenadoria de Transparência e Controle Social da CGE organizou o concurso e ficou responsável por montar a comissão que selecionou as dez melhores redações. “Percebemos o alto nível de consciência dos alunos quanto à necessidade de combater a corrupção para melhorarmos o país. A maioria delega à família e à escola o papel de orientação para a legalidade e coação a atos ilegais e de desvios de conduta”, diz o coordenador Matheus Gruber.

Segundo ele, o objetivo é levar a exposição, composta por 10 painéis, para escolas e universidades. “Queremos divulgar o trabalho desses jovens, que reflete o pensamento da geração que forma a sociedade do futuro. Acreditamos que isso incentive todos a pensar sobre o assunto e a refletir sobre os atos cotidianos”, disse Gruber.

VISITAÇÃO

Para visitar somente a exposição basta levar um documento com foto. Porém, se o interesse for prolongar a visita para todo o Palácio Iguaçu, que além da arquitetura abriga obras de arte de artistas paranaenses, é necessário fazer o agendamento com o Cerimonial do Governo do Estado, seja visita individual ou em grupos. O telefone para agendar o passeio é 3350-2983.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal