Coronel Malucelli defende sistema de proteção social ao Policial e Bombeiro Militar

Pedro Ribeiro

Preocupado com a situação do policial militar e do bombeiro, em relação à questão previdenciária que hoje se discute no país, o coronel Sergio Malucelli emite sua opinião através de artigo que publicamos a seguir, na íntegra.

Estamos diante de um processo de discussão sobre reforma previdenciária que é essencial para que o país volte a crescer e se desenvolver, mas não podemos permitir que o Policial Militar fique de fora e não tenha um tratamento digno a exemplo de outras categorias, pois somos indispensáveis à comunidade e continuamos como força reserva do Exército Nacional e não raras vezes somos preteridos pelos governos.
O Militar estadual é um soldado que presta serviços na prevenção e proteção do cidadão, da sociedade e dos bens públicos e privados, com patrulhamento ostensivo, salvando vidas para a preservação da ordem pública. É este policial, soldado, que enfrenta cara a cara e muitas vezes de peito aberto, sem um colete a prova de balas eficiente, o marginal entrincheirado e fortemente armado.
O Policial Militar sai pela manhã de sua casa, do lado de sua família e não sabe se retorna ao lar.
Rastejando na lama como um verme, literalmente comendo barro, como pudemos ver agora com a tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais, enfrentando focos e incêndios de grandes proporções, bebendo água salgada na luta para salvar uma vítima de afogamento e exposto às mais diversas situações de risco de vida. Este é o Bombeiro, um Policial Militar.
No Estado Democrático de Direito, as atuações do Policial Militar que antes eram essencialmente de manutenção da ordem, acabaram passando para a preservação da ordem pública, ampliando suas competências. Isto envolve, hoje, segurança pública, saúde pública e tranquilidade pública.
Portanto, as atuações e responsabilidades foram aumentando ao longo dos anos e o Policial Militar continua sendo uma atividade diferenciada e não possui um Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, adicional noturno, já que tem escala noturna para cumprir, sem direito à benefícios a insalubridade, periculosidade e pagamento de horas extras. O Policial Militar não tem um plano de saúde, não recebe pagamento auxílio transporte e muito menos vale refeição.
É por isso que, como Policial Militar, escrevo este artigo para me dirigir à sociedade no sentido de explicar o efetivo papel do militar em todas as camadas sociais, desde a elite até o tecido mais fino da sociedade e mostrar como somos preteridos pelos governos.
Desejamos que nesta reforma que se apresentas nos preserve os direitos adquiridos e vislumbre um futuro decente, pois somos um segmento diferenciado de agentes públicos. Somos militares estaduais, policiais e bombeiros que estão 24 horas a disposição da comunidade paranaense.
O que nós queremos e vamos defender é um sistema de proteção social ao Policial e Bombeiro Militar.

Coronel Sergio Malucelli
Polícia Militar do Estado do Paraná

Post anteriorPróximo post
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.
Comentários de Facebook