Deixaram os motoristas do transporte de cargas sem vacina e priorizaram o transporte coletivo

Pedro Ribeiro

Coronel Malucelli, presidente de FETRANSPAR, fala sobre o novo modelo de concessão dos pedágios

 

A restrição à vacinação em Curitiba aos trabalhadores do setor de transportes de cargas levou o presidente da Fetranspar – Federação das Empresas de Transportes de Cargas – coronel Sergio Malucelli a manifestar, nesta segunda-feira (28), indignação com o desprezo do prefeito da capital paranaense, Rafael Greca, que optou em vacinar apenas os motoristas do transporte coletivo.

“Greca está deixando de fora da vacinação o único setor que não parou durante 1,6 ano da pandemia, setor que leva o alimento para a população, que transporta as vacinas à Secretaria da Saúde do Estado e do município e remédios às farmácias. Já para o setor do transporte coletivo, a Prefeitura de Curitiba não apenas faz a vacinação como vai nas empresas”, lamentou Malucelli.

Malucelli disse ainda que disponibilizou as estruturas do SEST e SENAT para a Prefeitura de Curitiba que simplesmente ignorou. Hoje, informa ele, o setor de transportes de cargas em Curitiba é representado por mais de quatro mil empresas e pouco mais de 20 mil trabalhadores. “Estes motoristas, que viajam dia e noite pelas estradas e mesmo fazendo entregas em Curitiba, não merecem vacina, respeito?”, questiona o líder empresarial.

 

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="772445" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]