Dia do Agricultor, uma homenagem a pioneiros do Noroeste

Pedro Ribeiro


No final da década de 1940, agricultores paulistas e mineiros migraram para o Norte do Estado do Paraná, onde havia perspectivas de um futuro promissor com o desmatamento e plantio de café. Entre eles, estavam meu avô, Domingos Tosti e meu pai, Anesio Ribeiro.

Hoje, dia 28, quando se comemora o Dia do Agricultor, dedico algumas palavras a ele, Anésio Ribeiro, Nascido em Jacutinga, Minas Gerais, em lembranças dos tempos em que desembarcou no sitio do Antonio Rizatto, na Água do Cedro, em Alto Paraná, para plantar e colher café.

Das histórias que me contava, Anésio Ribeiro, um jovem de 24 anos, era um “bruto” no trabalho e vencia todas as provas que os agricultores faziam em épocas de colheita de café: carregava entre dois ou três sacos de café, de 50 quilos, nas costas do chamado carreador até a estrada, onde as carroças passavam para levar o produto até o terreiro, onde as sementes eram preparadas para, depois, serem beneficiadas.

Meu avô, Domingos Tosti, também um pioneiro e desbravador do Noroeste paranaense, fincou raízes na localidade chamada de Nacional, distante dois a três quilômetros da sede da cidade, Alto Paraná, onde nasci e cresci.

Rendo, portanto, uma homenagem a estes e outros pioneiros que fizeram, de Alto Paraná, nas décadas de 60 e 70, uma cidade próspera que contava com perto de 30 mil habitantes. Depois da geada negra, em 1975, houve o êxodo rural e a cidade encolheu mas continua sendo a mesma Alto Paraná, berço de homens e mulheres que não mediram esforços para preparar este precioso canto para seus filhos e netos.

Ao prestar esta simbólica homenagem ao meu pai e meu avô, dedico minha admiração e respeito a todos os pioneiros que adotaram Alto Paraná para viver.

Ao falar sobre o Dia do Agricultor, relatamos as palavras do presidente da Federação da Agricultura do Estado do Paraná, Ágide Meneguette, que, nas redes sociais agradece o esforço que os produtores paranaenses têm dedicado para, mesmo diante de uma das piores crises, garantir alimentos na mesa do Paraná, do Brasil e do mundo.

“Temos muitos motivos para dizer ‘obrigado, produtor rural’, pois o setor produtivo do Paraná é unido e está sempre pronto para responder aos momentos difíceis da nossa história, com geração de riquezas e empregos. Parabéns, produtores, pela sua coragem e firmeza à nossa vocação de alimentar o mundo”, enfatizou o presidente.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal