Discurso petista dá margem à estratégia de ações sociais ao governo

Pedro Ribeiro


 

A deputada federal, Gleisi Hoffmann (PT), foi reeleita presidente nacional e repetiu o discurso de sempre, com base nos pronunciamentos do ex-presidente Lula depois que deixou a prisão. Mais uma vez, dirigentes do PT perdem a oportunidade de mostrar à população que tem um projeto para o Brasil, diferente do protagonizado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Um discurso com práticas nada republicanas que parece ter engolfado também o que poderia restar de uma oposição necessária e consequente. Com repercussão pífia, parece que todos sumiram como se fossem tragados por uma espécie de mea-culpa inconsciente e involuntária, tornando-se ícones em falta de credibilidade e de suspeição de ilícitos. Todos símbolos de uma decadência, de terra arrasada a que o País jamais deve ter vivenciado em toda sua história republicana.

Novamente recheado de críticas à atual gestão, o discurso petista mostra sinais de que está fora de sintonia com a atual realidade do país. Mas, mesmo diante do apelo social, com sangue nos olhos, acendeu luz amarela no Palácio do Planalto levado a equipe econômica do Governo a buscar alternativas no orçamento para aumentar os recursos destinados aos programas sociais, em especial ao Bolsa Família, onde Lula ainda continua sendo lembrado como “salvador da pátria”

Sobre o Bolsa Família, integrantes da equipe de Bolsonaro chegaram a defender até a troca do nome do programa para Bolsa Brasil. Mas setores do governo resistem à mudança. A ordem é ampliar benefícios às famílias de baixa renda. Na ofensiva em busca da conquista do eleitorado do Bolsa Família, o governo apelou ainda ao economista Ricardo Paes de Barros, um dos criadores do programa no mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

FAMÍLIAS BENEFICIADAS

Entre as propostas em análise pelo governo está a concessão de um adicional de R$ 6,81 por mês para cada uma das 13,8 milhões de famílias beneficiadas pelo Bolsa Família, principal programa de transferência de renda do governo – o benefício para uma família em extrema pobreza é de R$ 89 por mês. O aumento seria possível com uma folga no orçamento, que viria a partir do fim da desoneração de produtos da cesta básica.

Como o governo aumentou ligeiramente a previsão para o crescimento da economia brasileira de 0,81% para 0,85%, neste ano, com estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, a equipe econômica entra com mais firmeza na área social com vistas aos votos dos quase 40 milhões que recebem Bolsa Família da região Nordeste.

 

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal