Dom Ricardo condena economia de mercado, que quer classificar de “doença” a velhice

Pedro Ribeiro


Por Aroldo Murá

 

Proposta desumanizante e contrária a tudo que mostram os conhecimentos adquiridos sobre “essa tão importante etapa da vida”

 

O curitibano dom Ricardo Hoepers, bispo da cidade de Rio Grande, RS, hoje um dos nomes mais em acatados na Conferência dos Bispos do Brasil (CNBB), responsável pela linha Vida e Família, está entrando numa briga internacional, colocando-se contra a proposta da Organização Mundial da Saúde (OMS), que quer que a velhice humana seja classificada a partir de 2021 como “uma doença”.

Isto será possível se consumada a pretensão da OMS/ONU de inclusão da velhice na classificação de “doença” no código universal que identifica patologias (CID). Possuído de uma “santa ira”, o incansável debatedor dom Ricardo me disse, em contato telefônico esta manhã, do dia 23, palavras que não escondem sua estupefação e da Igreja (pois, do Papa Francisco|) com o assunto: ‘Trata-se de uma proposta desumanizante e completamente desproporcional a todos os avanços e conhecimentos adquiridos nos últimos anos sobre essa etapa tão significativa da vida.

A nossa vida não pode se tornar refém de grupos que querem compartimentalizar cada fase da vida para o usufruto dos interesses de uma economia de mercado que coisifica e mensura a vida como um objeto a ser negociado nas bolsas de valores.”

DIA DOS IDOSOS

O Papa Francisco com muita sabedoria instituiu para este ano o Dia Mundial do Avós e dos Idosos que será celebrado no dia 25 de julho. Com isso, a Igreja continua a manter sua perspectiva em favor da vida desde a concepção até o seu fim natural, respeitando cada etapa como um dom de Deus. A vida integral tem sua dignidade, inviolabilidade e sacralidade.

Na Sagrada Escritura o idoso tem um destaque especial que traz consigo a sabedoria de Deus e a garantia do ensinamento dos valores: “Levantam-se na presença dos idosos, honrem os anciãos, temam o seu Deus. Eu sou o Senhor” (Lv 19,32). Infelizmente, na contramão desta perspectiva de respeito ao idoso há uma movimentação para definir a velhice como doença na nova edição da CID – classificação internacional de doenças.

PROPOSTA DESPROPORCIONAL

É uma proposta desumanizante e completamente desproporcional a todos os avanços e conhecimentos adquiridos nos últimos anos sobre essa etapa tão significativa da vida. A nossa vida não pode se tornar refém de grupos que querem compartimentalizar cada fase da vida para o usufruto dos interesses de uma economia de mercado que coisifica e mensura a vida como um objeto a ser negociado nas bolsas de valores.

Que possamos entender a proposta do Papa como uma reação em defesa dos idosos e da sua dignidade que, na sociedade da globalização da indiferença e do descartável, quer tornar a velhice uma doença a ser combatida. Ensina-nos a contar os nossos dias para que nosso coração alcance sabedoria (Sal 90,12)” Dom Ricardo Hoepers, bispo de Rio Grande, RS, é Presidente da Comissão Vida e Família e da Comissão de Bioética da CNBB.

 

Aroldo Murá é jornalista

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="771908" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]