Eleições em Curitiba terão muitas cobranças e ironias

Pedro Ribeiro


Pelo menos dois pré-candidatos à Prefeitura de Curitiba – Ney Leprevost e João Arruda – prometem uma campanha recheada de questionamentos contra o atual prefeito e também candidato à reeleição, Rafael Greca. Saúde e emprego deverão ser os principais temas colocados em discussão neste pleito em todos os municípios e também são estes dois pontos que a oposição mais cobrará de Greca.

Enquanto a oposição coloca na mesa discussões sobre o que precisa ser feito em Curitiba e pontua erros do atual gestor, Greca faz ouvidos mocos, não se importando com o que falam, mostrando tranqüilidade e confiança em sua reeleição, com pitadas de ironia e deboche.

Ney em palestra no Palacio Iguaçu

Ney Leprevost (PSD) disse que Greca não tem humildade e errou em relação ao combate à pandemia, privilegiando classes em detrimento de quem realmente precisa de atendimento de saúde e trabalhar para sustentar a família.

Ele cita o caso dos feirantes e dos supermercados proibidos de funcionar aos domingos. “Não há embasamento científico nenhum para o que o prefeito está fazendo”.

Segundo ele, o prefeito, com o abre e fecha, provocou confusão nas pessoas e também não atendeu aos protocolos exigidos pelas autoridades sanitárias. “Os mais pobres não tiveram tratamento digno”, sustenta Leprevost, pontuando que muitas mortes poderiam ter sido evitadas. “A Saúde será prioridade em nosso governo”, garantiu.

Para João Arruda (MDB), o prefeito Greca está “ultrapassado. É um gestor analógico quando a capital precisa de um administrador digital comprometido com novas tecnologias para geração de emprego e renda. A saúde está um caos, o mesmo acontecendo com a área da educação. Greca só priorizou o asfalto como medida eleitoreira, disse Arruda.

Prefeito de Curitiba pela terceira vez, Rafael Greca não fica constrangido em dizer que é o prefeito do asfalto. Pelo contrário: “Estamos finalizando um programa de 400 km de asfalto, além de enfrentar todos os desafios da pandemia”, pondera o prefeito. Por mais que receba críticas da oposição, Greca afirma que não viu erros em sua gestão e se tiver que apontem.

Para justificar o robusto programa de asfalto, o prefeito relata que atende à reivindicação do povo. “O povo pede asfalto e eu atendo. São pouco mais de 400 km de asfalto em toda a cidade”.
Para Leprevost, asfaltar ruas com buracos é uma obrigação do poder público, do gestor da cidade. O que não se pode é asfaltar ruas já asfaltadas, o que gera suspeita.

O pré-candidato do MDB defende uma gestão descentralizada com um novo plano diretor que priorize o setor de transporte. “Precisamos de um interbairros metropolitano que possa tranqüilizar os moradores dos bairros e da região metropolitana, diminuindo as filas e dando oportunidade para que trabalhem mais próximo de casa, desviando o centro da cidade.

“Curitiba do futuro precisa eliminar as filas nas UBS e no setor de transporte coletivo. Greca está fazendo o papel de um autêntico zelador que se presta a fazer gambiarras aqui e ali para agradar ao patrão ou aos eleitores”, disse Arruda.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal