Em greve de fome há oito dias em frente ao Palácio Iguaçu, professores passam bem

Pedro Ribeiro


Os professores em greve de fome acampados em frente ao Palácio Iguaçu, sede do governo do Estado chegam, nesta quinta-feira, ao oitavo dia de resistência. O grupo passa bem, segundo relato do próprio sindicato da categoria. O professores querem a suspensão de prova para contratação de professores(as) por apenas um ano, pelo processo seletivo simplificado (PSS).

A prova está marcada pra ser realizada no próximo dia 13 de dezembro. Com a expectativa de mais de 47 mil inscritos(as), o certame colocará em risco a vida destes(as) profissionais, pois a avaliação será realizada de forma presencial, aumentando o risco de contágio do vírus Covid-19. O Sindicato enfatiza que o Estado precisa revogar o edital 47/2020, respeitando a saúde e o emprego dos(as) milhares(as) de profissionais PSS’s.

Além da revogação do edital e da prova, a categoria reivindica a renovação dos contratos de professores(as) e funcionários(as) de escola atualmente contratados(as) de forma temporária pelo processo seletivo simplificado, o pagamento do salário mínimo regional e de promoções e progressões, concurso público para suprir o déficit de educadores(as), além da manutenção das turmas de ensino noturno nas escolas incluídas no processo de migração para o modelo cívico-militar.

Sem uma resposta do governo, o comando de greve deliberou a convocação da categoria para uma assembleia estadual extraordinária nesta quinta-feira (26). A reunião será realizada de forma virtual, para preservar a saúde dos(as) educadores(as) presentes. Para participar, é preciso fazer um cadastro prévio no endereço https://appsindicato.org.br/assembleia.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal