Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Empresas investem em startups em meio à pandemia

 Mesmo com a pandemia, que levou muitas empresas a reduzirem o ritmo de produção e até a demitir funcionário..

Pedro Ribeiro - 25 de janeiro de 2021, 12:01

Startup concept. Businessman touching tablet and icon network connection with rocket flying out of screen on dark background
Startup concept. Businessman touching tablet and icon network connection with rocket flying out of screen on dark background

 

ANÚNCIO

Mesmo com a pandemia, que levou muitas empresas a reduzirem o ritmo de produção e até a demitir funcionários, o ano passado foi bom especialmente de negócios envolvendo grandes corporações, startups e pequenas ou médias empresas, destaca a Forbes Brasil, com base em pesquisa com CEOs.

Os números provam essa movimentação: 46% das grandes companhias realizaram aportes para aquisições. Dessas, 17% investiram mais de R$ 50 milhões; 3% entre R$ 30 milhões e R$ 50 milhões; 8% entre R$ 15 milhões e R$ 30 milhões; 14% entre R$ 5 milhões e R$ 15 milhões; e 58% entre R$ 1 milhão e R$ 5 milhões. Dos 75 investimentos mapeados, 16 foram em fintechs, 11 em empresas de tecnologia da informação e oito em empresas de SaaS(software as a service).

Os dados são da “1ª Pesquisa BR Angels/FirstCom – Investimentos, Aquisições e Maturidade em Inovação”, realizada pela BR Angels, associação nacional voltada para investimento anjo e composta por executivos C-Level com atuação em grandes empresas de diferentes setores.

ANÚNCIO

A pesquisa foi conduzida com 104 CEOs, 74 deles associados à BR Angels, que lideram grandes empresas em diversos segmentos, como varejo, bens de consumo, tecnologia, financeiro, educação e serviços.

Se depender dos CEOs ouvidos na pesquisa, a tendência continuará em alta em 2021, com 65% dos respondentes informando que pensam em fazer aquisições – índice bem maior do que os 46% observados em 2020. Os três setores com maior interesse continuam sendo os de fintechs, TI e SaaS. A maior parte planeja investir entre R$ 1 milhão e R$ 5 milhões (41%) e acima de R$ 50 milhões (26%).

O estudo também ajuda a identificar a quantas anda a inovação aberta no país. Segundo ele, apenas 28% das empresas têm um programa de corporate ventureinnovation hub ou venture builder para investir ou acelerar startups, mostrando que ainda há muito espaço para o desenvolvimento de iniciativas sistemáticas voltadas à integração de grandes empresas com empresas inovadoras. 38% responderam que planejam implementar programas nos próximos dois anos, revelando um aumento do interesse das organizações em atuar no ecossistema de startups.

A maior parte (29%) dos programas foi implementada no último ano, um provável reflexo da necessidade de acelerar a transformação digital no pós-pandemia – 71% responderam que este interesse aumentou depois da Covid-19.