Envolvidos em esquema de taxas do Detran têm bens bloqueados

Pedro Ribeiro

padre, preso, dirigir embriagado, embriagado, gmc, gm, guarda municipal, curitiba, polícia civil, pcpr, dedentran, delegacia de delitos de trânsito

A Justiça determinou o bloqueio de R$ 69,9 milhões em bens de 16 investigados, entre pessoas físicas e jurídicas, pela Operação Taxa Alta. A ação apura, desde novembro do ano passado, ilegalidades no contrato de credenciamento de empresas para serviços de registro eletrônico de gravames de veículos no Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR).

A decisão foi emitida pela 12ª Vara Criminal de Curitiba no dia 20 de abril e informada pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) na última quinta-feira (7). A partir das investigações, conduzidas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e pela 4ª Promotoria de Justiça de Proteção ao Patrimônio Público de Curitiba, o MP-PR também obteve na Justiça a suspensão do contrato administrativo firmado entre o Detran-PR e a Infosolo.

De acordo com o apurado até o momento pelo MP-PR, os sócios da empresa Infosolo, a partir de articulação com os ex-funcionários públicos investigados, elaboraram o edital de concorrência em 2018, que regulamentou os contratos de financiamentos firmados no Estado do Paraná. O MP-PR informa que em razão dos atos ilícitos praticados com a finalidade de beneficiar a Infosolo, houve considerável prejuízo aos consumidores que financiaram veículos, pela cobrança de taxas injustificadamente elevadas.

A empresa brasiliense Infosolo, que tem entre os sócios Alexandre Georges e Basile Pantazis, faturou, entre novembro de 2018 e junho de 2019, cerca de R$ 77 milhões. De acordo com processo, a empresa investigada realizou pedido de credenciamento para o serviço 24 horas após a publicação do edital e, por um período, praticamente monopolizou a atividade, em razão de ter sido beneficiada no início e ter atuado de modo exclusivo.

Antes das fraudes, de acordo com a operação, o preço cobrado pela taxa de registro de financiamentos era de R$ 150, e depois do contrato com a empresa, passou a ser de R$ 350. A família dos gregos, como são conhecidos os Pantazis no Planalto Central, montou negócios em diversos estados, como Maranhão, Minas Gerais e Paraná. De acordo com o portal Metrópoles, os Pantazis levam uma vida sofisticada na capital federal. “Até recentemente, parte da família alugava a mansão no Lago Sul comprada pelo governador Ibaneis Rocha (MDB) em negociação de R$ 23 milhões”, afirma a publicação.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="698159" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]