Sintonia Fina
Compartilhar

Gleisi condena antecipação pelo ministro da Justiça da prisão de Palocci

    A declaração do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, de que nesta semana (seg..

Pedro Ribeiro - 26 de setembro de 2016, 19:09

 

ANÚNCIO

 

 

 

ANÚNCIO

A declaração do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, de que nesta semana (segunda-feira) haveria nova operação da Polícia Federal no âmbito da Lava Jato e o que realmente aconteceu com a prisão do ex-ministro Antonio Palocci, foi condenada pela senadora Gleisi Hoffmann (PT).

 

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), que está hoje em Brasília, anunciou uma série de ações da bancada do PT e da oposição ao governo Temer contra a declaração do ministro da Justiça. A oposição encaminhou ao Ministério Público Federal representação contra o ministro da Justiça, com base no Artigo 325 do Código Penal (violação de sigilo funcional) e no Artigo 11 da Lei 8.429 (Lei de Improbidade Administrativa), por revelar fato que deveria permanecer em segredo.

 

Da mesma forma, será encaminhada ao Conselho de Ética da Presidência da República, além de representação baseada na Lei 8.429, denúncia de violação ao Código de Ética do Servidor Público e à Lei 8.112, por ferir norma que determina sigilo funcional. “Queremos apuração dos fatos e a suspensão do exercício de função do ministro, com base no Artigo 319 do Código de Processo Penal.  Ele não tem como continuar no cargo”, diz Gleisi.

 

A bancada do PT e os partidos de oposição encaminharam ainda requerimento ao ministro chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, solicitando informações sobre as providências que a Presidência da República tomou em relação ao ministro da Justiça, por ele ter violado sigilo funcional e praticado ato de improbidade administrativa. “Queremos também que o governo esclareça a condução político-partidária e ações da Polícia Federal na Operação Lava-Jato”, afirmou Gleisi.

 

 pedro.ribeiro