Greca e Fruet continuam trocando acusações

Pedro Ribeiro


Enquanto na “boca maldita” professores distribuíam panfletos em que culpam o prefeito Rafael Greca pela paralisação nas escolas, a assessoria do ex-prefeito Gustavo Fruet (PDT) divulgava nota em reação às acusações do atual prefeito de que não haveria “previsão orçamentária” para aplicação do plano de carreira do magistério. “Mais uma vez Greca tenta justificar o não cumprimento das promessas de campanha”, afirmava Fruet.

Em áudio divulgado pela assessoria de imprensa após a reunião do prefeito com os sindicalistas, Greca disse que a gestão anterior não deixou o pagamento do plano de carreira previsto no orçamento. O plano deveria ser implementado em até 24 meses após a sanção assinada por Fruet em 2014. A medida envolve 9.890 profissionais da categoria O custo do plano seria de R$ 4 milhões em 2014, R$ 32,7 milhões em 2015 e R$ 78,8 milhões em 2016. De acordo com Fruet, duas etapas foram cumpridas.

Mostrei a eles a grave situação financeira da prefeitura, a necessidade de uma reprogramação da nossa previdência e uma reengenharia no plano de cargos e salários, inclusive. Mostrei a eles que o plano de cargos e salários como foi deixado pelo meu antecessor sem cobertura orçamentária em 2017 é como um cheque sem fundos. Propus honrar esse plano de cargos e salários quando se restaurar o equilíbrio fiscal e financeiro da prefeitura de Curitiba, coisa que nós estamos trabalhando”, disse Greca.

O plano de carreira do magistério foi construído e sancionado em nossa gestão. Em 2016, implantamos duas etapas. Seguimos o cronograma de implantação, que previa o pagamento da última etapa de enquadramento para janeiro de 2017. Isso é feito por decreto e somente o atual prefeito podia fazê-lo”, aponta Fruet na nota.

O ex-prefeito também admite as dificuldades da situação fiscal da prefeitura. “Estabelecemos 30% do orçamento para educação e projetos que colocam Curitiba como a melhor educação entre as capitais. Não menti nas eleições, sempre deixando clara a situação fiscal e quais prioridades”.

Em contra-ataque, Fruet lembra do que disse seu adversário durante a campanha: “Se está difícil para você, deixa que eu faço”. A prioridade dele deve ser outra!”, acusa. (Com informações de Narley Resende).

 pedro.ribeiro

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="487783" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]