Imprensa reverencia o mestre Mazza no lançamento de seu livro

Pedro Ribeiro


 

Encontro de amigos, com jornalistas que iniciaram suas carreiras nas tradicionais máquinas de escrever e jovens que, do note ou mobile, transmitem informações em segundos, ambos com verve no sangue e na alma, marcou, na segunda-feira, no Bar Brahma, em Curitiba, o lançamento do livro de um dos mais antigos e brilhantes jornalistas em atuação hoje em nosso Estado: Luiz Geraldo Mazza. Reportagens, artigos, poemas e poesias dos anos 50 até hoje, foram criteriosamente selecionados e editados pela jornalista Mirian Karan, autora da obra.
“Tudo começou há seis anos, quando um grupo de jornalistas resolveu prestar uma homenagem aos 80 anos do nascimento do ícone da imprensa paranaense, Luiz Geraldo Mazza. Foi uma festa inesquecível, com direito a jogral, emoção e saudosismo”, conta Mirian Karan que reuniu a produção do mestre e, orgulhosa diz: “tomo carna e entro para a história pela mão dele e que, daqui há cem anos, quando forem estudar sua produção, posso dizer que eu vi, eu estive lá”.
Também mazza e celsopego carona com a Mirian e outras centenas de jornalistas que conhecem esta fonte do saber a qual chamo, com carinho, de uma eterna criança. Tive a honra e me sinto orgulhoso por participar desta obra desde o início, lá atrás, até o prefácio deste que, tenho certeza, será fonte de consulta futura sobre jornalismo. Sim, escrevi e sustento: Mazza é intuitivo, inteligente, visionário. Um jornalista transplantado de algum jardim fértil para produzir e semear conhecimento a nós paranaenses.
Aos 40 anos de profissão, sempre dentro de redações de jornais, posso dizer que grande parte convivi lendo e ouvindo o Mazza, seja na Gazeta do Povo, onde atuamos lado a lado, na Folha de Londrina ou ouvindo a CBN onde ainda hoje discute de tudo e sobre tudo. De minhoca californiana, a qual usa para pescar lambaris, a cibernética e agora a esta febre superior a 40 graus: redes sociais. Não duvidem, pois ele é capaz e aposto.
Mazza é dono de memória e lucidez invejáveis. Mazza também é louco. É uma criança. Não tem rabo preso, não tem emprego público e vive da sua profissão. É nosso (pelo menos meu) mestre.pedro.ribeiro

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal