Indústria paranaense também dá sinais de crescimento

Pedro Ribeiro


 

Esta semana publicamos aqui o desempenho do agronegócio paranaense que participa com R$ 142 bilhões no PIB paranaense e que, de janeiro a maio deste ano gerou mais de 800 postos de trabalho. Agora mostramos o desempenho positivo da indústria paranaense no mês de maio. A produção do setor registrou crescimento de 55% com relação ao mesmo mês do ano passado. Foi o melhor resultado da região Sul e o terceiro melhor do país, superado apenas por Amazonas e Ceará. A média nacional também foi de crescimento, 34,7%. Já em relação a março último, o crescimento foi menor. No Paraná, a indústria teve pequena elevação de 0,2%, já com ajuste sazonal, enquanto a média nacional apontou queda de 1,3%. Os números foram divulgados esta manhã (9/6), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para o economista da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Evânio Felippe, o crescimento expressivo de abril deste ano comparado com abril de 2020, embora ambos sejam ainda dentro do período pandêmico da Covid-19, deve ser analisado com cautela. “A indústria vem numa trajetória de recuperação desde o início do segundo semestre do ano passado. Mas, abril de 2020 foi o primeiro mês em que foi possível mensurar o impacto inicial da pandemia, que paralisou totalmente as atividades nas indústrias. Com uma base de comparação tão baixa, qualquer crescimento toma proporções maiores”, explica.

No acumulado de janeiro a abril deste ano, o resultado também é positivo, com alta de 18,1% na produção industrial do Paraná em relação a igual intervalo de 2020. Com isso, a região Sul lidera o crescimento no país. Santa Catarina teve o melhor desempenho (24,4%), seguida por Rio Grande do Sul (20,5%) e Paraná. O indicador médio nacional ficou em 10,5%. Nos últimos 12 meses, a alta na indústria paranaense chegou a 4,7%.

No primeiro quadrimestre deste ano, um dos setores com melhor performance tem sido máquinas e equipamentos, com quase 60% de crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior. Também merecem destaque o segmento da madeira (50%), fabricação de produtos de metal e automotivo, ambos com 41% de alta, além de móveis (36%) e minerais não-metálicos (34%). Dos 13 setores analisados pelo IBGE, apenas dois tiveram queda. Celulose e Papel (-6,6%) e Alimentos (-4,8%).

“Este é um indicador importante porque o setor alimentício é bem relevante para o estado, representa 30% a 33% do PIB industrial paranaense. Esta retração pode estar atrelada à redução no consumo das famílias, por conta do desemprego, da queda na renda e do menor valor do auxílio emergencial aprovado este ano pelo Governo Federal”, pondera o economista.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="769154" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]