Joice espana, chama Kim de Moleque que a chama de cara de pau. Começou…

Pedro Ribeiro

Como era previsto, a líder do governo na Câmara Federal, Joice Hasselmann, já colocou as manguinhas de fora e mostrou que, em termos de diplomacia e equilíbrio emocional para negociar com parlamentares, é zero. Só o presidente Jair Bolsonaro não sabia disso e, portanto, terá dificuldades para manter um bom relacionamento com a Câmara Federal, justamente agora quando se tem uma reforma como a da Previdência para votar.

O entrevero aconteceu neste final de semana, quando a líder do governo caiu nas provocações do deputado federal pelo DEM, Kim Kataguiri, que apontou uma suposta contradição do tratamento do PSL em relação ao presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ele disse que falta coerência ao partido do presidente Jair Bolsonaro. “Precisamos ser pragmáticos, só Maia consegue garantir maioria e conduzir a Previdência”, disse em seu twitter.

A destrambelhada Joice, que se acha a articuladora, não gostou e reagiu, pedindo para que o líder do Movimento Brasil Livre não fosse “mais oportunista do que a média de sempre” e negou que o partido tivesse se manifestado nos termos utilizados por Kim. Como o japinha também não é flor que se cheire, veio o troco: “tem de ser muito cara de pau para falar em oportunismo. Dizia que Maia era o demônio na terra, o arqui-inimigo da Lava Jato e símbolo mor da corrupção. Depois de eleita, passou a ser Maia desde criancinha. Tenha dó”.

A poderosa respondeu chamando Kim de “moleque” (ele tem 23 anos) e pediu para o deputado deixar “os adultos” trabalharem. “Kim, você está realmente o que sempre foi; um moleque. Só isso e mais nada. Biruta de aeroporto. Seus comportamentos em relação ao Jair Bolsonaro no 1º e 2º turnos da eleição mostram bem isso. Pega a chupeta e vai nanar, neném. Deixa os adultos trabalharem.”


Não vai dar certo. Ou, tem tudo para dar errado. Nós já sabíamos

Post anteriorPróximo post
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.
Comentários de Facebook